Polícia encontra cobra naja que picou estudante no DF; estado dele é grave

Cobra foi escondida em uma região próxima ao Lago Paranoá. Segundo o Ibama, legislação só permite criação doméstica de espécies não venenosas

Gabrielle Varela e Kevin Lima, da CNN em Brasília

Ouvir notícia

O Batalhão de Polícia Militar Ambiental do Distrito Federal localizou nesta quarta-feira (8) a cobra naja que picou o estudante de medicina veterinária Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul, de 22 anos. O estudante está internado em estado grave em um hospital particular no Gama, a 34 quilômetros do centro de Brasília.

A Policia Ambiental informou que precisou convencer um colega de Pedro Henrique a informar o local onde a cobra foi escondida, que estava em região próxima ao Lago Paranoá. 

A assessoria de imprensa do hospital em que o rapaz está internado informou que a família proibiu a divulgação de qualquer boletim médico e qualquer detalhe do estado de saúde do estudante.

Uma amiga do estudante, que preferiu não se identificar, informou à CNN que ele está intubado e inconsciente. Segundo a jovem, desde 2017, quando conheceu Pedro Henrique, ele criava cobras. Ela contou também que a família não quer falar sobre o assunto e não sabe a origem da cobra. 

Leia também:

Estudante de veterinária picado por cobra naja no DF acorda do coma

Instituto Butantan doa soro para jovem picado por cobra naja no DF

Cobra naja achada no DF pode ter sido contrabandeada, diz diretora do Butantan

De acordo com a Polícia Civil, um auditor fiscal do Instituto Brasília Ambiental (Ibram-DF) registrou a ocorrência e informou que não foi encontrado registro do animal em nome do estudante no órgão fiscalizador. Disse ainda que o jovem mantinha uma página no Facebook sobre algumas espécies de cobras, que depois do ocorrido foi apagada. O caso está sendo investigado pela delegacia do Gama.

O Instituto Brasília Ambiental informou que está tentando localizar familiares do tutor do animal, uma vez que ele está hospitalizado e inconsciente. O Ibram-DF disse ainda que a criação de cobras peçonhentas pode ser autorizada desde que para finalidade diversa à de estimação, como para pesquisa, exposição em jardins zoológicos, extração de veneno para produção de soro antiofídico ou venda de matéria prima para indústria farmacêutica.

O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) disse em nota que que acompanha o caso e que o criador não tem permissão para manter o animal em ambiente doméstico, uma vez que precisa ter autorização emitida por órgão ambiental estadual e seguir regras para a criação, e a legislação só permite espécies não venenosas para esse fim.

“Assim que o animal for localizado, o Ibama emitirá multa, que pode variar entre R$ 500 e R$ 5 mil, e ser aplicada ao criador ou ao proprietário da residência onde permanecia”, disse o órgão.

O Centro Universitário UniCEPLAC, onde Pedro Henrique cursa medicina veterinária e tem um grupo de estudos de animais silvestres e exóticos, “não incentiva, de forma alguma, a criação de animais que possam oferecer riscos à saúde humana, ou do próprio animal”.

“Aconselhamos que os membros que desejem adquirir um animal silvestre façam isso seguindo as leis e normativas vigentes no país”, disse a universidade.

Mais Recentes da CNN