Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Polícia investiga criminosos que mandaram matar traficantes que assassinaram médicos no RJ

    Policiais também procuram pelo carro usado no dia do ataque

    Carro de polícia passa por quiosque onde, de acordo com a polícia, médicos foram mortos a tiros na madrugada desta quinta-feira na Barra da Tijuca
    Carro de polícia passa por quiosque onde, de acordo com a polícia, médicos foram mortos a tiros na madrugada desta quinta-feira na Barra da Tijuca 05/10/2023REUTERS/Ricardo Moraes

    Rodrigo Monteiroda CNN

    A Polícia Civil do Rio, investiga os criminosos que teriam mandado matar os traficantes suspeitos de executarem os médicos na Barra da Tijuca, área nobre do Rio de Janeiro.

    Os investigadores acreditam que um dos chefes de uma das maiores facções criminosas do Estado participou dessa ordem.

    Na sexta-feira (6), os corpos de quatro homens foram encontrados em dois locais diferentes da Zona Oeste do Rio. Dezessete horas depois dos assassinatos dos médicos.

    Segundo a polícia, um dos corpos era do traficante conhecido como Lesk, que foi quem deu a ordem para os criminosos irem até a praia da Barra, matar o miliciano Tailon de Alcântara, que foi confundido com um dos ortopedistas.

    O miliciano Tailon é rival de Lesk, na guerra entre milícia e tráfico de drogas na região de Jacarepaguá, na Zona Oeste.

    No sábado (7) a movimentação na Delegacia de Homicídios da Capital foi tranquila. Os policiais também procuram pelo carro usado no dia do ataque. Além de dois suspeitos envolvidos na execução dos médicos, que não estavam entre os quatro corpos que foram encontrados.

    De acordo com a polícia, os suspeitos seriam conhecidos como Bruno Pinto Matias – o Preto Fosco, e Juan Breno Malta Ramos Rodrigues, conhecido como BMW.

    Veja também: “Sociedade se acostumou com violência”, diz especialista