Queiroz e filha prestam depoimento sobre vazamento da operação Furna da Onça

Depoimentos fazem parte de um inquérito instaurado pelo MPF-RJ para investigar o suposto vazamento de informações

Cleber Rodrigues, da CNN, Rio 

Ouvir notícia

 

Os procuradores do Ministério Público Federal no RJ ouviram nesta quinta-feira (03), os ex-assessores parlamentares Fabrício Queiroz e a filha Nathália Queiroz. Os depoimentos fazem parte de um inquérito instaurado pelo MPF-RJ para investigar o suposto vazamento de informações da operação Furna da Onça, em 2018. Queiroz e Nathalia chegaram às 14h15 na sede do órgão e vieram acompanhados de seus advogados. 

Fabrício Queiroz foi assessor parlamentar no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, hoje senador. Já Nathália, enquanto trabalhava no Rio de Janeiro como prepradora física, manteve um cargo de assessora na Câmara dos Deputados entre 2016 e 2018, no gabinete de Jair Bolsonaro, então deputado federal.

Paulo Marinho empresário que era aliado ao senador Flávio Bolsonaro informou que houve vazamento na operação Furna da Onça, em 2018. A operação da Polícia Federal apontou um suposto esquema de rachadinhas na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Leia e assista também

PGR pede ao STF que Queiroz e Márcia voltem à prisão

Segunda Turma do STF julgará prisão domiciliar de Queiroz

Fabrício Queiroz já prestou um primeiro depoimento antes de ter a prisão domiciliar decretada. O ex-assessor ficou preso no Complexo Penitenciário de Bangu, na zona oeste da capital por mais de 20 dias. Ele e a esposa, Márcia Aguiar, também investigada, cumprem  prisão domiciliar no apartamento da família, na zona oeste do Rio.

Queiroz no MPF
Fabrício Queiroz chega para depor a procuradores do Ministério Público Federal
Foto: Bruno Brito/CNN

Na quarta-feira, o ministro Gilmar Mendes informou que levará para julgamento da segunda turma do Supremo Tribunal Federal a liminar que concedeu em 14 de agosto e que manteve a prisão domiciliar de Fabrício Queiroz e de sua mulher, Márcia Aguiar. 

Na última terça, o  subprocurador-geral da República Alcides Martins recorreu ao STF contra a decisão de Mendes. A prisão domiciliar de Queiroz e de Márcia havia sido concedida pelo então presidente do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio de Noronha e revogada, no dia 13 de agosto, pelo relator do caso no mesmo tribunal, Félix Fischer. Três dias antes da decisão de Fischer, a defesa do casal apresentou pedido de Habeas Corpus no STF que acabaria sendo julgado por Gilmar. Ainda não foi marcada a data em que a liminar será avaliada pela 2ª Turma.

“Fabricio Queiroz, Marcia de Aguiar e Nathalia Queiroz seguem à disposição da Justiça para o devido esclarecimento dos fatos. A defesa reitera que eles não cometeram crimes e que vem sendo apontados injustamente pelo Ministério Público”, diz a defesa, em nota.

 

Mais Recentes da CNN