Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Quiosque em homenagem a Moïse é inaugurado no Rio de Janeiro

    Espaço foi entregue pela prefeitura do Rio à família do congolês e vai abrigar um memorial para celebrar a cultura africana

    Quiosque em homenagem a Moïse é inaugurado no Rio
    Quiosque em homenagem a Moïse é inaugurado no Rio Reprodução/ CNN Brasil

    Beatriz Puenteda CNN

    no Rio de Janeiro

    Ouvir notícia

    O quiosque em homenagem ao congolês Moïse Kabagambe foi inaugurado nesta quinta-feira (30), no Parque Madureira, Zona Norte do Rio, no Dia da Independência da República Democrática do Congo. O espaço tem 154m² de área total, capacidade para 60 lugares e vai abrigar um memorial para celebrar a cultura africana.

    O projeto realizado pela prefeitura do Rio em parceria com a Orla Rio, concessionária que administras os quiosques da cidade, tem como objetivo oferecer uma oportunidade de negócio para a família empreender e ser um polo da cultura do Congo para que a mesma seja disseminada para os cariocas e turistas.

    Além de parentes do congolês e representantes da prefeitura também participaram da cerimônia membros do Consulado do Congo e da Acnur, a agência da ONU para refugiados.

    Moïse foi espancado até a morte em um quiosque na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, em janeiro deste ano, após um desentendimento com outros funcionários do local. Três homens foram denunciados pelo homicídio do jovem de 24 anos e estão presos.

    O Ministério Público do Trabalho (MPT) entrou com uma ação na Justiça pedindo a responsabilização dos sócios dos dois quiosques onde o jovem trabalhava, por submeterem o congolês e outros trabalhadores a condições análogas à escravidão.

    Inicialmente, a família iria assumir o mesmo quiosque onde Moïse foi morto. Porém, com medo de sofrer represálias, a família desistiu da concessão no local e optou pelo espaço no Parque Madureira.

    Quiosque em homenagem à Moïse é inaugurado no Rio
    Quiosque em homenagem a Moïse terá representação de cultura africana/ Reprodução/ CNN Brasil

    Mais Recentes da CNN