Redução do intervalo da AstraZeneca, crise hídrica e mais da noite de 15 de outubro

5 Fatos Noite, apresentado por Carol Nogueira, repercute as principais notícias do Brasil e do mundo

Da CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

Redução do intervalo entre as doses da AstraZeneca, recomendação de uma segunda dose para a vacina da Janssen, reservatórios devem chegar abaixo do previsto ao fim de outubro, crescimento do turismo pelo quinto mês consecutivo e mais acontecimentos da noite desta sexta-feira, 15 de outubro.

Redução do intervalo da AstraZeneca

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, confirmou a redução do intervalo entre as doses da AstraZeneca de 12 para 8 semanas. Segundo a pasta, o envio de “100%” das doses da vacina produzida pela Fiocruz já foi concluído, possibilitando completar o esquema vacinal da população adulta e reduzir o intervalo entre a primeira e a segunda aplicação.

Dose de reforço da Janssen

Um painel de consultores da agência regulatória dos Estados Unidos, a FDA, recomendou a aprovação de uma dose de reforço da vacina de dose única da Janssen contra a Covid-19. A medida vale para pessoas com mais de 18 anos, e o intervalo entre as doses deve ser de, pelo menos, 2 meses.

Crise hídrica

O nível dos reservatórios deve chegar abaixo do previsto ao fim de outubro. O boletim do Operador Nacional do Sistema Elétrico reduziu a previsão de chuvas na região sudeste e centro-oeste para as próximas semanas.

Crescimento no turismo

O setor de turismo registrou crescimento pelo quinto mês consecutivo. O resultado positivo é consequência do avanço da vacinação contra a Covid-19, que permitiu a flexibilização das medidas restritivas. O levantamento foi feito pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo.

Brasileiros vacinados poderão entrar nos EUA

A Casa Branca informou que os turistas totalmente vacinados contra a Covid-19 vão poder entrar nos Estados Unidos a partir de 8 de novembro. A medida inclui os brasileiros que tenham se vacinado com imunizantes autorizados pelo FDA e pela OMS.

Mais Recentes da CNN