Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Moradores da Rocinha protestam por falta de energia 

    Lagoa-Barra, na Zona Sul do Rio, ficou interditada. Segundo o Centro de Operações, o trânsito na cidade chegou a 161 km 

    Moradores da Rocinha fecham estrada em protesto contra falta de energia
    Moradores da Rocinha fecham estrada em protesto contra falta de energia Reprodução/redes sociais

    Pedro Osorioda CNN

    Moradores da Rocinha, na Zona Sul do Rio de Janeiro, realizaram um protesto na tarde desta, quinta-feira (16), por falta de energia na comunidade que dura pelo menos uma semana. Segundo a Polícia Militar, a manifestação começou por volta das 18h e interditou a autoestrada Lagoa-Barra em ambos os sentidos.

    A manifestação não registrou casos de violência ou confronto entre moradores e as forças de segurança. Após a ação das equipes da UPP a pista sentido Lagoa foi liberada. A pista sentido Barra da Tijuca segue obstruída.

    De acordo com o Centro de Operações Rio, o fechamento da via provocou engarrafamento na região e causou impacto no trânsito em bairros próximos como Lagoa, Jardim Botânico e Ipanema, e a avenida Niemeyer.

    A Light, empresa responsável pela distribuição de energia, informou por nota que permanece com equipes na Rocinha para a execução dos reparos necessários e que as falhas no sistema são causadas por sobrecarga na rede após ligações clandestinas.

    Posicionamento da Light

    “A Light permanece com equipes na Rocinha para a execução dos reparos necessários. Somente na última semana, foram 127 ocorrências na comunidade, provocadas por sobrecarga na rede elétrica devido ao alto índice de ligações clandestinas, onde o furto de energia é 83,74%.

    Os transformadores da Light – configurados e instalados para atender aos 14.485 clientes da concessionária naquela região (onde vivem mais de 87 mil moradores, segundo dados do IBGE de 2022) – queimam, causando falta de luz.

    A Light atua, diariamente, para coibir essa prática em regiões em que consegue atuar com segurança. Já em comunidades, equipes da distribuidora fazem os reparos necessários em parceria com o poder público, a polícia e com as Associação de Moradores.”