Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “São 50 meninos para uma viatura”, relata moradora de Copacabana sobre ladrões

    Segundo a advogada Gabriella Ferreira, não existe policiamento efetivo na região; PM rebate

    Thais MagalhãesRafaela Cascardoda CNN

    A recente escalada de violência em Copacabana preocupa os moradores na região. Gabriella Ferreira, advogada que mora no bairro da zona sul do Rio de Janeiro, disse à CNN, nesta quarta-feira (6), que há pouco policiamento para a quantidade de criminosos: “são 50 meninos para uma viatura”.

    No último sábado (2), um homem foi agredido e teve seus pertences roubados por criminosos, ele foi nocauteado após tentar ajudar uma vítima de arrastão em uma das avenidas mais movimentadas da região.

    Na terça (28), um prestador de serviço da Polícia Federal sofreu agressões após ter reagido a um assalto na Avenida Beira-Mar. O jovem teve morte cerebral.

    Gabriella afirma que, pela falta de policiamento, os seguranças das próprias lojas acabam agindo para proteger os agredidos e o comércio. “Dias de sol, que tem praia, eles (criminosos) vêm desde Ipanema e fazem a limpa por toda a Copacabana, chegando até Princesa Isabel”, relatou.

    Segundo a moradora de Copacabana, o Rio de Janeiro vive uma violência generalizada. “Esses episódios têm acontecido diariamente, praticamente uma rotina nossa. A gente sabe que a partir das 17h, a volta da praia fica muito mais perigosa”.

    “Infelizmente a gente sai sem nada, sai sem celular para não ser roubado e sem documentos para não ter prejuízo. Se eu puder sair sem isso, infelizmente eu vou sair, a gente não pode ter nada aqui no Rio de Janeiro”, relata a moradora.

    A advogada ainda afirma que a violência aumenta aos finais de semana e durante as férias escolares. “Infelizmente são menores de idade que fazem isso. A polícia está enxugando gelo, porque eles prendem e logo estão soltos de novo”.

    O que diz a PM do Rio de Janeiro

    A Polícia Militar do Rio de Janeiro disse que atua na região para prender em flagrante qualquer envolvido em crimes e que possui policiamento reforçado para reduzir os índice criminais do bairro.

    “Frequentemente, as unidades operacionais que atuam no bairro fazem ações de revistas e abordagens a pessoas em situação de vulnerabilidade, além de diversas ações que visam coibir o cometimento de roubos e furtos a patrimônio público e privado”, diz a nota enviada à imprensa.

    Nos últimos 10 dias, somente em Copacabana, a PM do Rio encaminhou 150 pessoas para delegacias da região e retirou 11 facas de circulação. Quatro pessoas foram presas e seis adolescentes infratores foram apreendidos.