Servidora e empresário são suspeitos de fraude em compras para a saúde no AP

Investigações apontam que servidora da Secretaria de Saúde do estado recebeu dinheiro para acelerar liberação de pagamentos para empresário

Um dos alvos da Operação Virus Infectio é uma servidora da Secretaria de Saúde do Amapá, que teria recebido valores indevidos de empresário
Um dos alvos da Operação Virus Infectio é uma servidora da Secretaria de Saúde do Amapá, que teria recebido valores indevidos de empresário Foto: Divulgação/ Polícia Federal

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

A Polícia Federal faz uma operação, na manhã desta sexta-feira (29), que apura desvios de recursos públicos na sáude do Amapá. Segundo a corporação, a 2ª Fase da Operação Virus Infectio, busca desarticular uma organização criminosa que fraudou licitações no estado e desviou verbas destinadas ao combate ao novo coronavírus.

A ação, realizada com o Ministério Público Federal (MPF), cumpre nove mandados de busca e apreensão e três de prisão preventiva na capital do estado, em Macapá. Uma servidora da Secretaria de Saúde do estado deve ser afastada do cargo 

Após a 1ª fase da operação, em abril, foram constatados indícios de pagamento de propina, por parte de empresário, à servidora estadual, para agilizar trâmites burocráticos de liberação de verba.

Assista e leia também:

Suspeitas em ações contra Covid-19 mobilizam 6 operações da PF em menos de 1 mês

‘Ontem foi último dia triste’, diz Bolsonaro ao criticar inquérito e ação da PF

 

As investigações identificaram também que os pagamentos ocorriam através de transferências feitas, por meio de negócios do empresário, a um parente dessa funcionária pública.

Os investigados poderão responder pelos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva e por integrar organização criminosa. Se condenados, podem cumprir pena de até 20 anos de prisão.

Mais Recentes da CNN