Setor privado une esforços na COP26 para reduzir a emissão de carbono

Há mais de uma década, a JBS iniciou uma jornada de investimentos robustos em ações socioambientais concretas. E agora, durante a Conferência do Clima, anunciou iniciativas importantes alinhadas ao compromisso global de se tornar Net Zero até 2040

JBS

Ouvir notícia

A COP26 – Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2021 – que ocorreu em Glasgow, na Escócia, até o dia 12 de novembro, foi um encontro mundial de extrema relevância. Líderes, governantes e, principalmente, representantes do setor privado de aproximadamente 200 países se encontraram com o objetivo de discutir pautas sobre a mudança climática, acelerar as ações estabelecidas pelo Acordo de Paris e estabelecer metas e acordos concretos para um futuro mais sustentável, resiliente e com redução na emissão de carbono.

Na primeira semana do evento, a participação do setor privado foi intensa, com diversas discussões sobre temas, como a conservação e recuperação climática do planeta. A JBS, segunda maior empresa de alimentos do mundo e líder global no setor de proteínas, que tem na sustentabilidade a sua estratégia, participou dessas discussões e firmou importantes acordos com outras empresas globais.

No dia 3 de novembro, a companhia se juntou às outras nove maiores companhias de processamento agrícola do mundo para emitir uma declaração conjunta, na qual se comprometem a desenvolver, até a COP27, um roteiro setorial para limitar o aquecimento global em até 1,5°C em comparação aos níveis pré-industriais. O objetivo é identificar soluções em escala para progredir ainda mais rápido na eliminação do desmatamento e na redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE).

Outro importante acordo firmado na COP26 foi a parceria entre a JBS e a Royal DSM para implementar um projeto com a meta de reduzir a emissão de metano entérico bovino em escala mundial. O metano, subproduto natural da digestão de bois e outros ruminantes, é fonte de emissões de gases de efeito estufa. Para alcançar o objetivo, a JBS utilizará o Bovaer®, suplemento nutricional desenvolvido pela DSM. “A empresa está muito satisfeita por trabalhar com a JBS no Bovaer®. Agora podemos realmente criar um impacto no Brasil, o que é uma notícia empolgante, principalmente no contexto da COP26, onde a importância de uma ação climática rápida por meio da redução das emissões de metano é enfatizada novamente. Estamos ansiosos para oferecer uma solução eficaz e cientificamente comprovada para o desafio das emissões de metano pela agropecuária. Como os sistemas alimentares e a crise climática estão intrinsecamente ligados, é fundamental enfrentar o desafio da pecuária sustentável para um planeta saudável”, afirmou Dimitri de Vreeze, Co-CEO e membro do Conselho de Administração da Royal DSM.

Mas não é de hoje que a JBS está alinhada às práticas sustentáveis. Há mais de uma década, a companhia investe em ações socioambientais. E, a partir deste ano, assumiu o compromisso público de fazer parte dessa mudança, tornando-se Net Zero até 2040, ou seja, zerar o balanço de suas emissões de gases causadores do efeito estufa, reduzindo as emissões e compensando toda a emissão residual.

Para cumprir essa meta, a JBS se comprometeu a investir US$ 1 bilhão nos próximos 10 anos em projetos de redução de emissões; operar com energia 100% renovável até 2040; investir US$ 100 milhões em Pesquisa e Desenvolvimento até 2030; entre outras ações. Tudo com transparência, pois a empresa irá reportar suas informações sobre mudanças climáticas em linha com a Task Force on Climate-Related Financial Disclosure (TCFD).

“A JBS está empenhada em cumprir seu compromisso Net Zero até 2040. Mas não só. Trabalharemos em conjunto com os pequenos produtores para apoiá-los nessa nova revolução verde. Nessa corrida, não há um único vencedor: ou todos perdem ou toda a humanidade vence. Ao unir todos, estamos confiantes de que a empresa pode ser um agente de transformação”, afirmou Gilberto Tomazoni, CEO global da JBS.

Mais Recentes da CNN