Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Suspeito de atropelar e matar medalhista de ciclismo se apresenta à polícia em MG

    Laís Saes morreu após ser atropelada enquanto realizada um treino em uma estrada de terra em Minas Gerais

    Medalhista de ciclismo Lais Saes morre durante treino em estrada de MG
    Medalhista de ciclismo Lais Saes morre durante treino em estrada de MG Reprodução / Instagram

    Daniela Mallmannda CNN Em Belo Horizonte

    A Polícia Civil de Minas Gerais identificou o motorista do veículo que teria se envolvido no acidente que resultou na morte da medalhista de ciclismo Laís Saes, de 42 anos, na última quinta-feira (30), no interior do estado.

    O homem se apresentou espontaneamente na delegacia de Delfinópolis (a 400 km de Belo Horizonte) na última segunda-feira (3) para prestar depoimento.

    Segundo a polícia, nos próximos dias as investigações prosseguem com agendamento de depoimentos de testemunhas. O laudo de exame necroscópico, elaborado pelo Posto Médico Legal, já foi concluído e apontou politraumatismo contuso como causa da morte.

    A Polícia Civil aguarda a elaboração do laudo pericial do local dos fatos. Após a conclusão do procedimento investigativo, ele será relatado e encaminhado para apreciação do Ministério Público e Poder Judiciário.

    Relembre o caso

    Lais Saes morreu enquanto treinava em uma estrada de terra nos arredores do município de Delfinópolis, no interior do estado mineiro.

    A atleta, que em 2021 venceu a 8ª Road Brasil Ride, uma das principais provas de ciclismo de estrada da América Latina, estava pedalando em uma estrada de difícil acesso com um grupo de mais quatro ciclistas, incluindo seu namorado. Dois membros do grupo iam à frente dela e mais dois estavam atrás da atleta, mas a uma distância considerável.

    Uma testemunha ouvida pela CNN relatou que o motorista de um quadriciclo alertou que havia uma ciclista ferida em determinado ponto do trajeto e pediu ajuda para socorrê-la. Depois disso, ele deixou o local e não reapareceu. A testemunha chegou ao ponto do acidente e encontrou Laís caída ao chão. Algumas pessoas estavam aglomeradas no local e tentavam reanimá-la.

    “Eu assumi o procedimento [de reanimação]. Vi que ela estava sem pulso, sem respiração e continuei o procedimento RCP [reanimação cardiopulmonar] para desobstruir as vias aéreas dela”, relatou.

    A testemunha disse que fez o procedimento por cerca de uma hora, até a chegada do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). “O Samu chegou e fez os mesmo procedimentos, só que com aparelhos. Também não conseguiram reanimá-la”, relembrou.

    De acordo com essa testemunha, a vítima apresentava diversas fraturas, além de hemorragia interna. Os ferimentos indicaram aos ciclistas presentes que ela havia sido atropelada, embora ninguém tivesse presenciado o acidente.

    O motorista do quadriciclo também esteve em um pronto-socorro próximo e relatou o acidente com vítima. Nas imagens, ele aparece o tempo todo de capacete, sem mostrar o rosto.

    Em nota, a Federação Paulista de Ciclismo lamentou o ocorrido.