Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Caso Hadassa: suspeito de matar menina de 4 anos no RJ já foi condenado por roubo

    Reynaldo Rocha Nascimento recebeu pena de seis anos de prisão por assaltos cometidos no Rio de Janeiro em 2021

    Kemilly Hadassa Silva, de 4 anos, foi estuprada e morta por um parente na Baixada Fluminense
    Kemilly Hadassa Silva, de 4 anos, foi estuprada e morta por um parente na Baixada Fluminense Reprodução/redes sociais

    Fábio Munhozda CNN

    Em São Paulo

    O suspeito de estuprar e matar a menina Kemilly Hadassa Silva, de 4 anos, já foi condenado a seis anos e quatro meses de prisão, no regime semiaberto, por causa de dois assaltos dos quais ele participou em 2021.

    Reynaldo Rocha Nascimento foi preso no último domingo (10) e confessou ter matado e estuprado a garota. Ele era primo da mãe da vítima, que estava desaparecida desde sábado (9). O caso ocorreu em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

    A condenação de Reynaldo por roubo foi confirmada em segunda instância pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro em junho deste ano. Na primeira instância, ele havia sido condenado, juntamente com um comparsa, a sete anos e dois meses de prisão. Ambos recorreram em liberdade.

    De acordo com o processo, os assaltos ocorreram em janeiro de 2021 na Pedra do Arpoador, área nobre do Rio de Janeiro, entre 9h30 e 10h. Reynaldo estava acompanhado de outros dois criminosos, um maior de idade e um menor.

    Conforme os autos, o primeiro caso ocorreu por volta das 9h30. A vítima, do sexo feminino, estava sentada na areia da praia quando o grupo a abordou pelas costas e disse: “Não corre, senão eu vou te furar toda.”

    Os assaltantes levaram a bolsa da mulher, que tinha um celular, documentos, cartões de banco e outros objetos pessoais.

    Pouco depois deste assalto, e ainda de acordo com o processo criminal, os ladrões abordaram outra mulher e ordenaram a ela que entregasse o telefone celular. Em depoimento, a vítima disse que teve medo de ser jogada no mar.

    Segundo o que consta no processo, guardas civis faziam patrulhamento pela região quando foram avisados por populares que o grupo estava praticando assaltos no local. “A guarnição, então, deteve os ora denunciados e o adolescente-infrator, encontrando em poder deste último os aparelhos de celular subtraídos. As vítimas reconheceram os três como sendo os autores dos roubos.”

    Morte da menina Kemilly

    Segundo a Polícia Civil, Reynaldo confessou ter matado a menina em Nova Iguaçu. O corpo dela foi encontrado no domingo dentro de um saco de ração deixado em um valão.

    Reynaldo afirmou à polícia que sabia que a criança estava sozinha em casa, já que a mãe havia ido a uma festa. O criminoso disse que estuprou a menina, que começou a chorar. Para evitar ser descoberto, ele matou a criança asfixiada.

    O homem foi preso preventivamente e a investigação continua para identificar mais detalhes do crime. Outras pessoas ainda podem ser responsabilizadas.