Teatros, cinemas e museus voltam a funcionar com 100% da capacidade no Rio

Em locais fechados, o uso de máscara continuará sendo obrigatório; o comprovante de vacinação também será indispensável

Ana Lícia Soaresda CNN

No Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Museus, teatros, cinemas shopping centers, galerias de lojas, academias e pontos turísticos da cidade do Rio de Janeiro voltam a funcionar com 100% da capacidade a partir desta segunda-feira (18). A medida foi publicada no Diário Oficial do município.

Bares e restaurantes, que antes tinham que manter o distanciamento de um metro entre as mesas, agora não terão mais essa exigência. O anúncio foi feito neste domingo (17) durante reabertura de um cinema no Conjunto de Favelas do Alemão, na Zona Norte.

“A Secretaria de Saúde tirou a restrição que você tinha para salas de teatros, salas de cinemas, o que quer dizer que você pode ter a ocupação completa nas salas de cinemas”, disse Paes ao anunciar a medida.

Bibliotecas, casa de festas, salões de jogos, circos e parque aquáticos também poderão funcionar com 100% da capacidade.

Em locais fechados, o uso de máscara continuará sendo obrigatório. O comprovante de vacinação também será indispensável.

Em boates e salões de dança, a Prefeitura do Rio vai manter restrições até que 65% da população esteja imunizada contra a Covid-19. Atualmente, segundo o Painel Covid-19, 60% da população está vacinada.

O CineCarioca Nova Brasília, no Conjunto de Favelas do Alemão, é o primeiro cinema instalado em comunidade do Rio e foi reaberto neste domingo. Ele estava fechado desde dezembro de 2019.

“O setor de audiovisual é muito importante não só para a cultura, como para toda a economia da cidade”, afirma o prefeito.

Somente no Alemão, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), moram cerca de 60 mil pessoas. O cinema terá quatro sessões diárias com ingressos a partir de R$ 5. A expectativa das autoridades é que a reabertura do cinema ajude a movimentar a economia local.

“Sabemos que, desde o pessoal que vende pipoca até o bar que fica mais cheio, tudo é impulsionado por um equipamento de cultura dessa natureza”, declarou Marcelo Calero, secretário municipal de Governo e Integridade Pública.

Mais Recentes da CNN