Vereador do Rio é alvo do MP em investigação por corrupção na Vigilância Sanitária

Foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão em endereços ligados a cinco alvos, dentre ele o do vereador Marcelo Arar (PTB)

Ministério Público do Rio de Janeiro.
Ministério Público do Rio de Janeiro. Agência Brasil

Iuri Corsinida CNN

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

O vereador Marcelo Arar (PTB) foi alvo, na manhã desta quarta-feira (27), de uma operação do Ministério Público do Rio de Janeiro que apura suspeita de crimes de corrupção praticados no âmbito da extinta Subsecretaria de Vigilância Sanitária da Cidade (atual Ivisa).

Os crimes, segundo o MP do Rio, teriam sido cometidos no final de 2017 e início de 2018.

A ação, realizada através do Grupo de Atuação Especializada de Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ), cumpriu sete mandados de busca e apreensão em endereços ligados a quatro pessoas, além de Arar.

Sobre as suspeitas contra o vereador, a CNN entrou em contato com a assessoria de imprensa do parlamentar.

Em nota, o vereador declarou que o “papel do vereador é ajudar a melhorar a vida do cidadão, intermediando soluções e orientando em qualquer tipo de problema relacionado ao poder público municipal”.

“Se houve qualquer irregularidade por parte de algum agente do Executivo, não tenho ingerência ou responsabilidade sobre ele”, acrescentou o comunicado.

“Tenho uma vida pública limpa e transparente, confio nas instutições e na Justiça e prestarei todos os esclarecimentos necessários assim que tivermos acesso aos autos”, conclui Marcelo Arar.

Dentre os endereços alvos da operação estão a Câmara de Vereadores da Cidade do Rio de Janeiro e o Instituto Municipal de Vigilância Sanitária, Vigilância de Zoonoses e de Inspeção Agropecuária – Ivisa-Rio.

A operação também contou com o auxílio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (CSI/MPRJ), da Polícia Civil, através da Delegacia Fazendária (DELFAZ), e da Polícia Militar (PMERJ).

À CNN, a Ivisa respondeu que está “colaborando com as investigações e acompanha o andamento e conclusão do caso”.

Mais Recentes da CNN