Onze recém-nascidos morrem em incêndio em hospital no Senegal

Tragédia aconteceu na cidade de Tivaouane e foi confirmada pelo presidente do país, Macky Sall

Kaba, mãe de um bebê de dez dias, reage ao sair do hospital, onde recém-nascidos morreram em um incêndio na seção neonatal de um hospital regional em Tivaouane, Senegal.
Kaba, mãe de um bebê de dez dias, reage ao sair do hospital, onde recém-nascidos morreram em um incêndio na seção neonatal de um hospital regional em Tivaouane, Senegal. REUTERS/Zohra Bensemra

Xiaofei XuWahany SamboNimi Princewillda CNN

Ouvir notícia

Onze recém-nascidos morreram após um incêndio no departamento neonatal do Hospital Mame Abdou Aziz Sy Dabakh, na cidade senegalesa de Tivaouane, na noite de quarta-feira (25). A informação foi confirmada pelo o presidente do país, Macky Sall, nesta quinta-feira (26).

“Acabei de saber, com dor e consternação, a morte de 11 bebês recém-nascidos”, disse Sall em um tweet. “Expresso minha profunda compaixão por suas mães e suas famílias”, acrescentou.

O ministro da Saúde do país, Diouf Sarr, afirmou à rádio local RGM que o incêndio pode ter sido causado por um curto-circuito elétrico.

“Quando soubemos disso, ligamos para a gerência para descobrir o que aconteceu. Fomos informados de que havia um curto-circuito no departamento. As enfermeiras que estavam lá intervieram”.

O presidente Sall declarou um luto nacional de três dias a partir de quinta-feira e as bandeiras serão hasteadas a meio mastro durante este período, disse um comunicado da Presidência.

A CNN entrou em contato com o hospital, mas ainda não obteve retorno.

Em um comunicado na quinta-feira, o Ministério da Saúde do país disse que um plano de resposta a emergências foi implementado e “estão sendo feito arranjos para a assistência às famílias das vítimas”.

O comunicado do ministério acrescentou que o ministro da Saúde Abdoulaye Diouf Sarr, que participa da Assembleia Mundial da Saúde em Genebra, abreviou sua viagem e retornaria hoje ao Senegal.

O presidente Sall determinou a abertura de uma investigação para descobrir a causa do incêndio no hospital, disse o ministro do Interior do país, Antoine Felix Abdoulaye Diome, a repórteres durante sua visita ao hospital na noite de quarta-feira.

“Além disso, ele (o presidente Sall) pediu que revisássemos todos os equipamentos e infraestrutura dedicados aos recém-nascidos que precisam de assistência com máquinas para seus cuidados”, disse Diome.

“Vamos fazê-lo aqui em Tivaouane e em todos os hospitais do Senegal onde existe serviço neonatal”, acrescentou.

O Ministro do Planeamento Regional e Governo Local senegalês, Cheikh Bamba Dièye, descreveu o incidente fatal como “horrível e inaceitável”, ao mesmo tempo que pediu uma investigação dos sistemas de saúde do país.

“Estou chocado com a morte horrível e inaceitável de 11 bebês recém-nascidos em Tivaoune. A recorrência de tragédias em nossos hospitais nos lembra da obrigação de revisar minuciosamente a qualidade do serviço em nossos hospitais. Minhas mais profundas condolências às famílias”, disse ele. em uma postagem no Twitter.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN