Em rede nacional, Bolsonaro critica governadores: 'Por que fechar escolas?'


Da CNN, em São Paulo
25 de Março de 2020 às 00:08 | Atualizado 25 de Março de 2020 às 00:44
O presidente Jair Bolsonaro faz pronunciamento sobre o novo coronavírus

O presidente Jair Bolsonaro faz pronunciamento sobre o novo coronavírus

Foto: Divulgação - Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar as medidas de prevenção do novo coronavírus (COVID-19) adotadas por prefeitos e governadores em pronunciamento em rede nacional nesta terça-feira (24).

"Algumas poucas autoridades estaduais e municipais devem abandonar o conceito de 'terra arrasada', com proibição do transporte, fechamento do comércio e confinamento em massa. O que se passa no mundo tem mostrado que o grupo de risco é o de pessoas com mais de 60 anos. Então, por que fechar escolas?", questionou.

As novas críticas vêm na véspera de uma reunião de Bolsonaro com governadores da região Sudeste, entre eles o paulista João Doria (PSDB) e o fluminense Wilson Witzel (PSC), dois dos que determinaram amplas medidas de restrição de circulação. Doria e Witzel, de um lado, e Bolsonaro, de outro, têm trocado críticas publicamente nos últimos dias.

Leia também

Capitais registram panelaço contra Bolsonaro durante pronunciamento

Análise: Bolsonaro está reproduzindo o discurso de empresários aliados

O número de infecções pelo novo coronavírus no Brasil ultrapassou 2 mil nesta terça. No total, o vírus vitimou 46 pessoas — uma delas, de um paulistano de 33 anos. No mundo, são 16.362 mortes e 375.498 casos, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde).

Durante o pronunciamento, foram registrados panelaços em várias capitais do país, como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Fortaleza e Brasília.

'Gripezinha'

O presidente não anuciou nenhuma nova medida para conter o avanço da pandemia. Bolsonaro buscou mostrar que o governo federal vem se preparando para lidar com a doença desde o resgate dos brasileiros ilhados na quarentena de Wuhan, na China, e elogiou a atuação do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM).

"O vírus chegou e brevemente passará. Nossa vida tem que continuar, os empregos devem ser mantidos e o sustento das famílias deve ser preservado. Devemos voltar à normalidade", minimizou o presidente.

Apesar de dizer que o vírus "brevemente passará", na semana passada, a previsão do próprio ministro Mandetta era de que a fase mais aguda da epidemia do novo coronavírus vai durar ao menos até julho.

No entanto, disse também que deve haver a preocupação em não transmitir o vírus para os outros, "em especial aos nossos queridos pais e avós, respeitando as orientações do Ministério da Saúde". Desde a confirmação de transmissão comunitária no país, a pasta recomenda evitar aglomerações, além da redução do contato social.

O presidente culpou a imprensa por uma "sensação de pavor" e de causar uma "verdadeira histeria no país".

Ele citou os estudos sobre a eficácia da cloroquina no tratamento da nova doença. "Acredito em Deus, que capacitará cientistas e pesquisadores do Brasil e do mundo na cura dessa doença", disse.

Após o pronunciamento, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), publicou uma nota em que classifica o pronunciamento do presidente como "grave". "A posição [externada pelo presidente] está na contramão das ações adotadas em outros países e sugeridas pela própria Organização Mundial da Saúde (OMS). Reafirmamos e insistimos: não é momento de ataque à imprensa e a outros gestores
públicos".

Alcolumbre: fala é 'grave'

Logo após o pronunciamento, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e seu vice, Antonio Anastasia (PSD-MG), publicaram nota em que classificaram o pronunciamento do presidente como "grave" e disseram que "o país precisa de uma liderança séria" neste momento.

"Neste momento grave, o País precisa de uma liderança séria, responsável e comprometida com a vida e a saúde da sua população. Consideramos grave a posição externada pelo presidente da República hoje, em cadeia nacional, de ataque às medidas de contenção ao Covid-19. Posição que está na contramão das ações adotadas em outros países e sugeridas pela própria Organização Mundial da Saúde (OMS)", afirmaram.

Na quarta-feira (18), Alcolumbre informou que testou positivo para o novo coronavírus