Oposição trata fala de Moro em demissão como 'delação' contra Bolsonaro

Partidos de esquerda cobram apuração sobre tentativas de interferência na PF e veem motivos para processo de impeachment de Bolsonaro 

Da CNN, em São Paulo
24 de abril de 2020 às 16:24 | Atualizado 24 de abril de 2020 às 16:45
Sergio Moro, ex-ministro da Justiça e Segurança Pública
Sergio Moro pediu demissão do Ministério da Justiça
Foto: 12.abr.2020/Reuters

Lideranças dos principais partidos de oposição ao governo de Jair Bolsonaro (sem partido) trataram o anúncio da demissão de Sergio Moro do Ministério da Justiça, feito nesta sexta-feira (24) em Brasília pelo próprio ex-juiz, como uma "delação" contra o presidente. As acusações feita por Moro de que Bolsonaro tentava interferir na Polícia Federal e queria informações sobre investigações levaram nomes da esquerda a cobrar apuração sobre as denúncias e enxergar base para um pedido de impeachment do presidente.

“A entrevista de Moro é uma confissão de crimes e uma delação contra Bolsonaro", disse a presidente do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR). "Ele tinha de sair da entrevista direto para depor na Polícia Federal."

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, que perdeu para Bolsonaro no segundo turno das eleições de 2018, cobrou dos militares que integram o governo uma pressão para que o presidente renuncie.

"Os ministros, especialmente os militares que ainda respeitam esse país, deveriam renunciar a seus cargos e forçar a renúncia. O impeachment é processo longo. A crise sanitária e econômica vai se agravar se nada for feito", disse Haddad. 

O tratamento da fala de Moro como uma delação foi dado por outros petistas como o governador da Bahia, Rui Costa; o senador Humberto Costa (PT-PE); e o deputado Alexandre Padilha (PT-SP). "Ele [Moro] é a principal testemunha dos crimes de responsabilidade cometidos pelo chefe do Executivo. Não há outro caminho que não o do impeachment", disse Costa.

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), disse que "Bolsonaro perdeu a condição de liderar" o país e que "agora, ou é renúncia, ou é impeachment".

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) disse que se Moro "tivesse 10% da sinceridade que tentou transmitir na entrevista-delação contra Bolsonaro, seu ex-chefe, teria aproveitado e pedido desculpas ao povo brasileiro por todas as mentiras que contou sobre Lula."

Leia também:

Análise: Moro indica que compromisso de Bolsonaro contra a corrupção não é real

Análise: saída de Moro pegou muito mal no meio militar

Dino: Moro é o Elba de Bolsonaro

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), afirmou que "o depoimento de Moro sobre aparelhamento político da Polícia Federal como base para o ato de exoneração do delegado [Maurício] Valeixo constitui forte prova em um processo de impeachment." 

"Moro está para Bolsonaro como o Fiat Elba esteve para Collor. A prova que faltava. Agora não falta mais", disse Dino, em alusão ao carro que foi comprado com dinheiro sujo movimentado pelo tesoureiro PC Farias. 

Manuela D'Ávila (PCdoB), candidata a vice na chapa de Haddad em 2018, disse que "a tentação de falar sobre Moro é grande", mas que o assunto era a troca no comando da PF, com a exoneração de Maurício Valeixo. "Por que Bolsonaro trocou? O que ele quer esconder? Afinal, só há a saída de Moro por conta disso."

Freixo: Moro implodiu Bolsonaro

A bancada do PSOL na Câmara protocolou convite para Moro depor sobre a inteferência de Bolsonaro na PF. O partido também pediu à PGR (Procuradoria-Geral da República) que apure as acusações feitas pelo ex-ministro.

"Moro implodiu o governo Bolsonaro. Afirmou que o presidente quer controlar a PF para deixar impunes os crimes da família e para atacar a Democracia e o Estado de Direito", disse o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ). 

Guilherme Boulos, candidato a presidente pelo PSOL em 2018, disse que Moro acusou Bolsonaro de "crime de responsabilidade graúdo, que coloca o impeachment na ordem do dia."

Ciro: 'Brasil ganha'

Ciro Gomes, candidato do PDT na última eleição, afirmou que "nesta confrontação chocante entre Moro e Bolsonaro, o país ganha muito com a briga em si. Só hoje já tivemos notícia de uma lista de artigos do código penal além de crime de responsabilidade: prevaricação, falsidade ideológica, tráfico de influência, obstrução da justiça, abuso de autoridade, e contando..."

A deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) disse que Moro não deu apenas uma entrevista coletiva, mas fez uma "delação premiada" ao dizer que as mudanças na PF "tinham como objetivo permitir que Bolsonaro tivesse controle das investigações". Segundo ela, opositores cogitam a criação de uma CPI, fazer uma denúncia à PGR ou mesmo pedir a abertura de um processo de mpeachment.

"Só reforça o que muitos já sabiam: o combate à corrupção foi oportunismo do Bolsonaro, nunca foi uma bandeira sua, apenas lhe pareceu conveniente usar durante a campanha", disse Tabata. 

Para o deputado federal André Figueiredo (PDT-CE), "Maurício Valeixo não queria sair da direção geral da PF, foi forçado a acatar a exoneração 'a pedido'. Segundo Figueiredo, Moro entregou "todos os absurdos" de Bolsonaro.