Apoio do Congresso a Bolsonaro terá que ser testado, diz cientista político

Diante do quadro atual, o cientista político Murillo de Aragão vê como cada vez mais importante a criação de uma base governista no Congresso

Da CNN, em São Paulo
27 de maio de 2020 às 23:49

Diante de nova investigação da Polícia Federal, desta vez investigando suposta rede de fake news bolsonarista, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seus apoiadores voltaram novamente a criticar o Supremo Tribunal Federal, quem conduz a investigação sobre o “gabinete do ódio.” Diante do quadro atual, o cientista político Murillo de Aragão vê como cada vez mais importante a criação de uma base governista no Congresso para evitar novos embates com o STF.

“É necessário a criação de uma base de apoio porque qualquer decisão que envolva uma investigação a respeito das atitudes de Bolsonaro, como crime de responsabilidade ou pedido de impeachment, irá passar pela Câmara, fazendo necessário ter apoio firme. Hoje ele está progredindo nestas alianças, mas temos que ver na hora que o Congresso for chamado a decidir.”

Leia também:

Deputados citados em operação pedem impeachment de Alexandre de Moraes

Aragão ainda avaliou que a disputa que vemos hoje é sinal de que os poderes entenderam que não são hegemônicos, e que têm poder compartilhado, e que o judiciário entendeu isso.

“Desde o mensalão vemos uma acomodação das placas tectônicas das instituições brasileiras. O poder do presidente não é mais hegemônico, o poder hoje é compartilhado. O judiciário sabe disso e usa de suas prerrogativas para reafirmar suas posições.”