Fachin é sorteado relator do pedido de habeas corpus para Weintraub

Gabriela Coelho da CNN, em Brasília
28 de maio de 2020 às 12:46 | Atualizado 28 de maio de 2020 às 12:50
Ministro Edson Fachin durante sessão da 2ª turma do STF
Foto: Nelson Jr. - 3.mar.2020/SCO/STF

O ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), foi sorteado relator do habeas corpus preventivo apresentado nesta quarta-feira pelo ministro da Justiça, André Mendonça, para tentar suspender o depoimento do ministro da Educação, Abraham Weintraub, à Polícia Federal.

Na reunião ministerial de 22 de abril, cujo conteúdo se tornou público na semana passada, Weintraub defendeu a prisão de ministros do STF, chamados por ele de "vagabundos". 

Leia também:

Alexandre de Moraes expediu mandado logo após mandar PF ouvir Weintraub

Senado convoca Weintraub a explicar falas em reunião ministerial

A ideia do HC é impedir a prisão ou outra medida cautelar contra Weintraub no caso de ele se recusar a cumprir a determinação do STF de prestar depoimento. 

Na última terça-feira (26), o relator da investigação, ministro Alexandre de Moraes, deu um prazo de cinco dias para Weintraub prestar esclarecimentos à Polícia Federal (PF) sobre declarações feitas durante reunião ministerial realizada no dia 22 de abril

STF determina depoimento 

O ministro do STF Alexandre de Moraes, relator do Inquérito das Fake News, determinou que Weintraub deponha para explicar falas na reunião ministerial realizada no dia 22 de abril, que foi gravada e divulgada após decisão do ministro Celso de Mello. No vídeo, Weintraub diz que gostaria de botar "esses vagabundos todos na cadeia, começando no STF”.

O presidente Jair Bolsonaro convocou para uma reunião de última hora na tarde desta quarta-feira (27) os seus principais ministros para discutir uma resposta aos recentes movimentos do Supremo Tribunal Federal.

A ideia é que o governo publique uma nota deixando claro seu descontentamento com o STF e anunciando algumas medidas contra o que Bolsonaro e seu time classificam como "excessos" da Corte.