Ministro do STF diz que operação da PF sobre fake news afetou Bolsonaro

Segundo o magistrado, que falou à CNN sob condição de anonimato, as operações "bateram na perna quebrada" do presidente ao mirar aliados de Bolsonaro

Fernando Molica
Por Fernando Molica, CNN  
28 de maio de 2020 às 16:06 | Atualizado 28 de maio de 2020 às 17:20

Um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) que pediu para não ser identificado disse à CNN que os ataques do presidente Jair Bolsonaro à instituição revelam que as operações ocorridas ontem "bateram na perna quebrada dele".

O integrante do STF ressaltou que as medidas, tomadas no âmbito do inquérito que apura fake news, pegaram ativistas e financiadores de campanhas ligados a Bolsonaro. Citou também que as investigações poderão fortalecer os processos, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que pedem a cassação da chapa formada por Bolsonaro e Hamilton Mourão.

De acordo com ele, o STF não deverá "bater boca" com o presidente da República. O mais provável é que haja um movimento para despersonalizar as decisões, que, nos casos polêmicos, passariam a ser decididas pelo plenário e não mais de forma isolada, por cada um dos ministros.

Leia também:

'Ontem foi último dia triste', diz Bolsonaro ao criticar inquérito e ação da PF

Bolsonaro planeja reunião com chefes do Legislativo e Judiciário

Fachin manda a plenário pedido para suspender inquérito das fake news

No início desta tarde, o ministro Edson Fachin reiterou a decisão que tomara há um ano, quando remeteu para o plenário a ação movida pela Rede Sustentabilidade que questiona o inquérito sobre fake news aberto pelo presidente do STF, Dias Toffoli.

Ontem, o procurador-geral da República, Augusto Aras, se manifestou na ação movida pela Rede e pediu que o STF suspendesse o inquérito até que o plenário da corte se manifestasse sobre a legalidade de sua instauração.