Deputados debatem domingo de manifestações em São Paulo

Coronel Tadeu (PSL) e Ivan Valente (PSOL) falam sobre os atos que terminaram em tumulto e confronto com a polícia na Avenida Paulista

Amauri Arrais, da CNN, em São Paulo
31 de maio de 2020 às 20:07

 

Os deputados federais por São Paulo Ivan Valente (PSOL) e Coronel Tadeu (PSL) debateram o domingo de manifestações em São Paulo, que reuniu, na Avenida Paulista, um movimento com torcidas organizadas de times de futebol de São Paulo (como Palmeiras, Corinthians, São Paulo e Santos) militantes de oposição ao governo Bolsonaro e apoiadores do presidente - o que culminou em confronto com a Polícia Militar. 

"Me surpreendeu ver um grupo antagonista de uma forma um tanto tanto organizada, torcedores vestindo camisas de clubes. Curioso isso, pois nunca vi quatro torcidas juntas. Foram cenas lamentáveis, de agressão com pedras, pedaços de tijolo, concreto. Esses manifestantes vieram com o intuito de jogar pedra no outro grupo, pró-Bolsonaro. Tivemos a intervenção da Polícia Militar, que agiu bem e efetuou algumas prisões", disse Tadeu.

Leia mais:

Manifestantes e PM se enfrentam na Av. Paulista

Embaixador da Ucrânia explica bandeira usada em manifestação na Paulista

"As manifestações têm caráter diferente. As bolsonaristas são contra a democracia. Quero parabenizar os manifestantes que foram à rua com a palavra de ordem 'democracia'. Não vi em nenhum momento por que começou a pancadaria, [por que] jogar bomba em cima dos manifestantes. Eles logicamente reagiram, eles tinham o direito de se manifestar, estão contra a instalação de uma ditadura pelo presidente. A repressão da polícia foi seletiva, pois deixou gente fantasiada de verde e amarelo sendo protegida e aqui foram bombas de efeito moral. Muito lamentável", defende Valente. 

"A PM teve que agir com bomba de gás lacrimogêneo porque essas mesmas pessoas que estavam gritando democracia estavam com as mãos para trás com pedras para atirar no outro grupo. Essas pessoas são extremamente violentas, vieram para provocar confusão", argumenta o coronel.

"É óbvio que a PM se dirigiu aos manifestantes que estavam contra o Bolsonaro, nem se dirigiu nem ao outro lado, onde estão os fantasiados de verde-amarelo. A Polícia é que provocou esse tumulto", retruca o deputado do PSOL. 

Bolsonaro


Os dois falaram sobre o comportamento de Jair Bolsonaro (sem partido). "Ele não respeita os outros poderes, ameaça com o uso de Forças Armadas para dar um novo golpe, e isso não será aceito pela população brasileira. Esse é um governo indefensável", analisa Valente. "Estamos há 1 ano e 5 meses sem nenhum caso de corrupção. Os tempos mudaram e a esquerda brasileira está muito incomodada", comenta Tadeu. 

"O que nós estamos assistindo é um desgoverno. Vocês falam em combate à corrupção e se aliam ao Centrão. Moro saiu escorraçado porque Bolsonaro queria intervir na Polícia Federal. A verdade é que esse governo não tem rumo, Bolsonaro só pensa na sua reeleição", diz o deputado do PSOL.

"Acredito realmente que estamos no caminho certo. Em 2019 o governo vinha fazendo um trabalho excelente na economia, a pandemia veio, mas vamos recuperar. Hoje temos um governo que inspira confiança, que não está nas páginas policiais", afirma o coronel.

Eles debateram ainda como o governo enfrenta a pandemia do novo coronavírus. "Até o presente momento, não vi notícias de pessoas que morreram por falta de assistência. Tive três amigos tratados com cloroquina e estão muito bem hoje", garante Tadeu.

Ivan criticou as atitudes de Bolsonaro provocando aglomerações constantemente. "Ele vai à rua, incentiva a contaminação, diz que precisa contaminar 70% da população, não importa quem morra. A política dele é contaminar todos". Assista ao debate.