MP anuncia rodízio entre atos pró e contra Bolsonaro na Avenida Paulista

Ministério Público paulista mediou acordo entre grupos contrários e favoráveis ao presidente; neste domingo, local será usado por críticos

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
10 de junho de 2020 às 16:00
Manifestantes pró-governo na Avenida Paulista
Manifestantes a favor do governo de Jair Bolsonaro na Avenida Paulista
Foto: Débora Freitas - 7.jun.2020/CNN

O Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) anunciou nesta quarta-feira (10) que chegou a um acordo com representantes de movimentos a favor e contra o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para promover um rodízio no uso da Avenida Paulista, uma das principais vias da capital do estado, para manifestações.

"Estamos todos de parabéns. Pela linha dialógica é que nós podemos avançar", afirmou o subprocurador-geral de Justiça de Relações Institucionais, Arnaldo Hossepian, em nota divulgada pelo MP-SP.

O acordo foi celebrado após reunião virtual de quase três horas. Ficou definido que, no próximo domingo (14), a Paulista será ocupada pelos manifestantes críticos ao governo federal. O ato terá início às 14 horas, na altura do Masp (Museu de Arte de São Paulo), uma marcha a partir das 15 horas e dispersão às 16h30 por um itinerário a ser informado ao longo desta semana para que a Polícia Militar possa se planejar.

Os apoiadores de Bolsonaro se reunirão no Viaduto do Chá entre meio-dia e 18 horas.

"Foi um acordo alcançado com muito bom senso por parte de todos", afirmou o secretário de Políticas Criminais do MP-SP, Arthur Lemos Junior, ao encerrar o encontro.

No último fim de semana, enquanto os apoiadores do presidente ocuparam a Paulista, os movimentos contrários ao seu governo se manifestaram no Largo da Batata, na zona oeste da capital paulista.

Assista e leia também:

Deputados Sanderson e Maria do Rosário debatem atos pró e contra Bolsonaro

O Grande Debate: Quando protesto vira ato terrorista, como classificou Bolsonaro?

"Faremos uma manifestação pacífica, de acordo com o que foi orientado pelo Ministério Público", afirmou Felipe Vono, em nome do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e da Frente Povo sem Medo, também de acordo com a nota do MP-SP.

Danilo Pássaro, do Movimento Somos Democracia, ratificou o compromisso de não estimular nenhum manifestante contrário ao governo federal a se deslocar em direção à concentração promovida pelos movimentos pró-Bolsonaro.

"Gostaria de agradecer ao Ministério Público. Com sensatez sempre conseguimos chegar a um acordo, que é sempre a melhor saída", disse Mauro Reinaldo, representando o Deus, Pátria e Liberdade, um dos movimentos que organizam a concentração de domingo no Viaduto do Chá.

Luís Vallejo, do Patriotas do Brasil – pró-Bolsonaro –, também participou da reunião, assim como Raquel Resende, do Damas de Aço, que apoia o governo federal.