Foi um equívoco do governo encaminhar MP ao Congresso, diz Antonio Anastasia

Senador disse acreditar que a medida provisória "fere claramente a autonomia universitária e a gestão democrática da educação"

Da CNN
12 de junho de 2020 às 16:30

Em entrevista à CNN na tarde desta sexta-feira (12), o senador Antonio Anastasia (PSD-MG) disse que foi um "grande equívoco" do governo federal encaminhar ao Congresso a medida provisória (MP) 979, que permitia ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, nomear reitores para universidades, institutos federais e o colégio federal Pedro II, no Rio, sem consulta prévia à comunidade acadêmica durante a pandemia do novo coronavírus.

Segundo ele, a medida provisória "fere claramente a autonomia universitária e a gestão democrática da educação, princípios que estão na Constituição Federal".

Agora à tarde, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) revogou a MP.

Assista e leia também:

Bolsonaro ligou para Alcolumbre ao saber de devolução da MP dos reitores

Exclusivo: Mensagem de Flávio Bolsonaro pesou para Alcolumbre devolver MP

Ex-ministros da Educação apoiam devolução de MP sobre nomeação de reitores

Centrão

Gilberto Kassab, presidente do PSD, partido de Anastasia, afirmou na quinta-feira (11) à CNN que a legenda não faz parte do Centrão. O senador concordou e disse que o partido mantém uma postura de "independência". "O que significa que alguns de seus membros têm mais proximidade com o governo, e outros são mais distantes, como é o meu caso", falou.

Com relação à aproximação do governo com o Centrão, Anastasia falou que, após meses de administração, Bolsonaro percebeu "aquilo que é o óbvio".

Assista e leia também:

Centrão se irrita com falta de comunicação do governo na nomeação de Fábio Faria

"Para se governar, é preciso conversar, pois não vivemos em um regime de um poder só. É fundamental que haja diálogo, convergência, bom senso e serenidade entre os poderes", disse. "E o governo tem feito gestos de aproximação com parlamentares que tem alguma finalidade, o que é perfeitamente normal", analisou.

Segundo Anastasia, o que ocorre, porém, é que Bolsonaro se elegeu dizendo que não teria esse tipo de postura. "Mas não há como administrar sem estabelecer um diálogo com o Parlamento", afirmou.

(Edição: Bernardo Barbosa)