Toffoli pede investigação após ataque ao STF; manifestante é detido

A representação de Toffoli foi encaminhada à PF, à PGR, à Secretaria de Segurança Pública do DF e ao ministro Alexandre de Moraes

Estadão Conteúdo
15 de junho de 2020 às 00:35 | Atualizado 15 de junho de 2020 às 02:17
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
 
 

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, acionou órgãos de investigação para responsabilizar participantes de um ataque ao prédio do Supremo Tribunal Federal (STF). Na noite de sábado (13), manifestantes lançaram fogos de artifício em direção ao edifício do STF, na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

Toffoli pediu a investigação dos participantes e financiadores do ato, citando inclusive "eventual organização criminosa". O presidente do STF resolveu representar contra Renan da Silva Sena e outros envolvidos que forem identificados. Sena, identificado como autor do lançamento de artefatos explosivos contra o prédio do STF e por xingamentos a autoridades, foi preso neste domingo (14) pela Polícia Civil do Distrito Federal.

Leia também:
Toffoli reage a ataques: Supremo jamais se sujeitará a nenhum tipo de ameaça

PGR decide investigar protesto contra Supremo

A representação de Toffoli foi encaminhada à Polícia Federal, à Procuradoria-Geral da República, à Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal e ao ministro Alexandre de Moraes, que conduz o inquérito das fake news, aberto para investigar ataques ao Supremo e a outras instituições.

Em nota, o presidente do Supremo afirmou que o Supremo "jamais se sujeitará, como não se sujeitou em toda a sua história, a nenhum tipo de ameaça, seja velada, indireta ou direta e continuará cumprindo a sua missão." Outros ministros do STF também reagiram publicamente.

Responsável pelo inquérito das fake news, Moraes avisou que a lei será "rigorosamente aplicada". "O STF jamais se curvará ante agressões covardes de verdadeiras organizações criminosas financiadas por grupos antidemocráticos que desrespeitam a Constituição Federal, a Democracia e o Estado de Direito", escreveu o ministro no Twitter.