Câmara identifica 3 pessoas que assinavam ponto de Nathália Queiroz


Daniel Adjuto
Por Daniel Adjuto, CNN  
18 de junho de 2020 às 19:52

A Câmara dos Deputados informou ao Ministério Público Federal no Distrito Federal que identificou três pessoas que assinavam o ponto de Nathália Queiroz, filha de Fabrício Queiroz, quando ela era secretária parlamentar do gabinete do então deputado Jair Bolsonaro. Os nomes são mantidos sob sigilo, assim como a investigação.

Na mesma época em que estava lotada no gabinete, Nathália dava aulas como personal trainer no Rio de Janeiro.  A investigação em primeira instância, após consulta à Procuradoria-Geral da República no ano passado, apura se Jair Bolsonaro cometeu os crimes de peculato e improbidade administrativa quando era deputado. A suspeita é de que a filha de Queiroz era funcionária fantasma do gabinete dele.

A Procuradoria da República do Distrito Federal pediu para ouvir Nathália Queiroz presencialmente, mas devido à pandemia do novo coronavírus, o depoimento ainda não foi marcado. A oitiva deverá ser feita no Rio de Janeiro, onde mora Nathália.

Leia também:

Filha de Olavo de Carvalho denunciou paradeiro de Queiroz

Queiroz não pensa em delação premiada, diz advogado

Após prisão de Queiroz, Planalto busca desvincular Bolsonaro de Wassef

A educadora física foi nomeada em 2016 no gabinete de Bolsonaro. O salário: R$ 10 mil. Ela foi exonerada em 15 de outubro de 2018, mesmo dia em que Flávio Bolsonaro, então deputado estadual, exonerou Fabrício Queiroz do gabinete dele na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

À Polícia Federal, o empresário Paulo Marinho informou que, no dia 8 de outubro, dias antes da exoneração dos Queiroz, um delegado federal teria vazado a três pessoas próximas a Flávio Bolsonaro informações da operação Furna da Onça. Segundo o empresário, Bolsonaro determinou a exoneração dos dois. 

Antes de ser nomeada no gabinete de Jair Bolsonaro, Nathália também esteve lotada no gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj. Ela foi empossada em 2007 e recebeu até 2016, quando passou a ser funcionária da Câmara dos Deputados. Só em 2016, segundo relatório do COAF, Nathália repassou um total de R$ 97,6 mil ao pai. 

A coluna aguarda respostas da Presidência da República e atualizará a reportagem assim que as receber. Quanto a Nathália Queiroz, as tentativas de contato foram sem sucesso.