Operação que prendeu Queiroz cumpriu mandado em imóvel vizinho ao de Bolsonaro

Da CNN, no Rio
18 de junho de 2020 às 13:40 | Atualizado 18 de junho de 2020 às 13:44
Cercado por policiais, Fabrício Queiroz (2º à direita), desembarca de helicóptero no Aeroporto de Jacarepaguá, no Rio
Foto: SAULO ANGELO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Um dos mandados de de busca e apreensão cumpridos nesta quinta-feira (18) pela polícia do Rio de Janeiro teve como alvo uma casa vizinha a um imóvel do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A ex-servidora da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) Alessandra Esteves Marins mora no local alvo do mandado emitido pelo MP do Rio. A ação faz parte da Operação Anjo, que prendeu Fabricio Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, e amigo do presidente da República.

Leia também:
'A verdade prevalecerá', diz Flávio Bolsonaro sobre prisão de Queiroz
Igor Gadelha: Ministros e Centrão veem estratégia do MP para fazer Queiroz delatar
Thais Arbex:Queiroz é preso por lavagem, organização criminosa e interferir em investigação

Ambos imóveis ficam na Rua Divisória, no subúrbio carioca de Bento Ribeiro. A casa da ex-funcionária fiCA no número 30, subnúmero 31, e a lista como bem de Bolsonaro, que funcionou como comitê de campanha em 2018, no número 15. 

Segundo vizinhos, Marins morava no local há cerca de um mês. 

A pedido do Ministério Público do Rio de Janeiro, foram cumpridos mandados também conrtra outros dois servidores da Alerj.  São eles o servidor da Alerj Matheus Azeredo Coutinho e Luiza Paes Souza. 

(Com informações de Maria Mazzei e edição de Luiz Raatz)