Prisão de Queiroz é importante para avanço do caso das rachadinhas, diz Freixo

Deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) afirmou que 'prisão pode revelar os vínculos da família Bolsonaro com milícias'

Da CNN
18 de junho de 2020 às 16:47

O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) disse à CNN, nesta quinta-feira (18), que a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) "é muito importante porque pode revelar os vínculos da família Bolsonaro com milícias e avançar na investigação sobre as 'rachadinhas' do então deputado Flávio Bolsonaro".

Para o parlamentar, trata-se de uma "informação curiosa" que Queiroz tenha sido localizado na casa do advogado Frederick Wassef, que faz a defesa de Flávio e representou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no caso do ataque feito por Adélio Bispo durante a campanha presidencial, em 2018.

"Sabia o presidente que o Queiroz estava na casa desse advogado?", questionou Freixo. "Ele é uma pessoa que não deveria fazer parte do convívio — nem de trabalho, nem pessoal — de uma família que está na Presidência da República", avaliou o deputado.

Leia também:

Fabrício Queiroz é preso no interior de SP e transferido para o Rio de Janeiro
Após prisão de Queiroz, Planalto busca desvincular Bolsonaro de Wasseff
'A verdade prevalecerá', diz Flávio Bolsonaro sobre prisão de Queiroz

Freixo ainda afirmou que a investigação das 'rachadinhas' devem avançar para todos os suspeitos, incluindo Flávio. 

"O volume movimentado pelo Queiroz foi muito maior do que os outros deputados envolvidos, o que não quer dizer que eles não devam ser investigados. Todos devem ser, mas, claro, que quando uma denúncia recai sobre o filho do presidente, que é um deputado que vira senador, ele não pode reclamar e dizer que outros também fizeram. Isso não é uma justificativa plausível para o filho do presidente", afirmou.

Por fim, o parlamentar refletiu sobre os escândalos de corrupção no estado que é sua base eleitoral e  citou uma relação com o "crime tolerado".

"Por trás do cartão postal do Rio de Janeiro, há uma relação que se construiu ao longo de muitos governos, durante muitos anos, entre crime, polícia e política. Há uma relação nefasta, criminosa e subterrânea — mas nem tanto assim às vezes — em alguns governos", disse. "É um crime tolerado, que frequenta palácios e faz parte do poder, que nos lembra as grandes máfias. É de lá que muitos políticos vêm, e, lamentavelmente, não é diferente da origem do presidente Bolsonaro", concluiu.

(Edição: Leonardo Lellis)