Advogado de Flávio Bolsonaro comemora que caso foi para o tribunal 'apropriado'

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro considerou o juiz de primeira instância incompetente para julgar o caso e mandou a investigação para um órgão especial

Da CNN, em São Paulo
25 de junho de 2020 às 18:33

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) conseguiu nesta quinta-feira (25) uma de suas maiores vitórias no caso que investiga um suposto esquema de rachadinha quando o parlamentar era deputado estadual no Rio de Janeiro.

Ele conseguiu obter um habeas corpus no Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), que mandou o caso para um órgão especial sob alegação de que na época da denúncia o filho do presidente Jair Bolsonaro ocupava um cargo público, portanto, o juiz de primeira instância seria incompetente para analisar o caso.

Em entrevista para a CNN, o advogado do senador, Rodrigo Roca, celebrou a decisão e disse que o caso agora está sendo julgado em foro apropriado. “Não é questão de articulação, mas de cumprimento de ritos. Havia discussão sobre o foro apropriado ao julgamento, e hoje foi decidido. Representou uma boa primeira etapa. Vamos comemorar, realmente há um clima de comemoração. Mas amanhã (sexta-feira, 26) começamos os preparativos para o processamento e julgamento agora perante o órgão especial do Tribunal de Justiça do Rio. Não se trata de estar ou não na estaca zero, em verdade, o processo sequer havia começado tecnicamente falando. Era uma investigação, ainda é, pode ser arquivada ou virar ação penal, mas o que acontecer com esse caderno investigativo agora vai se passar perante o juízo apropriado."

Leia também:

Professor de direito penal analisa foro especial concedido a Flávio Bolsonaro

Planalto avalia que inquérito sobre interferência na PF não avançará

Questionado sobre a situação de Fabrício Queiroz, suspeito de ser o operador do esquema de rachadinha do gabinete do ex-deputado estadual, Roca disse que não iria comentar sobre o assunto. “Não atendemos o interesse do Queiroz e minha opinião iria criar descortesia com seus representantes.”

(Edição: André Rigue)