Quem é Carlos Alberto Decotelli, novo ministro da Educação do governo Bolsonaro


Guilherme Venaglia, da CNN em São Paulo
25 de junho de 2020 às 16:18 | Atualizado 26 de junho de 2020 às 23:51
O novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli

O novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli

Foto: Divulgação/MEC (5.fev.2019)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou nesta quinta-feira (25) o nome de Carlos Alberto Decotelli como o novo ministro da Educação. É o terceiro do seu governo, depois das passagens de Ricardo Vélez Rodríguez e Abraham Weintraub.

Assim como o antecessor imediato, Decotelli é economista, formado em 1980 pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Ele é mestre em Administração pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Em seu currículo Lattes, o economista dizia ser doutor em Administração pela Universidade Nacional de Rosário, na Argentina. A universidade do país vizinho, no entanto, informou que ele não concluiu o doutorado e o professor alterou seu currículo.

Antes da faculdade, a sua primeira formação foi um curso técnico na Marinha. 

Ex-chefe dele no ministério, Ricardo Vélez Rodríguez o definiu como "uma pessoa com sensibilidade social, mas longe da radicalização", em entrevista à CNN. Vélez o definiu como um profissional liberal na economia e conservador nos costumes. "Ele defende valores conservadores, mas com respeito de pluralismo e a liberdade", disse.

Carlos Alberto Decotelli é o primeiro homem negro a assumir um cargo de primeiro escalão no governo Bolsonaro, e chega ao cargo dias depois de Weintraub revogar uma portaria que incentivava cotas para a pós-graduação. 

Assista e leia também:

Decotelli diz que Bolsonaro não pediu gestão 'ideológica' no MEC

Decotelli tem sensibilidade social mas sem radicalização ideológica, diz Vélez

Governo Bolsonaro

Em fevereiro de 2019, Decotelli foi nomeado para o cargo de presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), posto hoje entregue a indicações dos partidos do grupo conhecido como Centrão.

No currículo divulgado pelo FNDE no momento da sua nomeação, o novo ministro enfatizava que atuou durante toda a transição de governo de Bolsonaro junto à equipe do Ministério da Educação. De acordo com o texto, no período, "foram estudadas as ideias e novas estratégias que pretende implementar na condução da maior autarquia para a gestão financeira da educação do Brasil".

O site do FNDE também informava que Decotelli lecionava em uma pós-graduação da PUC do Rio Grande do Sul ao lado de um nome estrelado do governo, o ex-juiz e então ministro da Justiça Sergio Moro.

A gestão de Carlos Decotelli no FNDE, no entanto, durou pouco. Nomeado durante a gestão do ex-ministro Ricardo Vélez, ele foi exonerado quando o ministério já era dirigido por Abraham Weintraub, no final de agosto de 2019. Na entrevista à CNN, Vélez disse que, ao seu ver, o trabalho de Decotelli no MEC era positivo. Ele também definiu o ex-auxiliar como "um nome eminentemente técnico".