'Surpresa agradável', diz Mozart Ramos sobre nomeação de Decotelli para o MEC

Para o educador, a grande questão é se o novo ministro conseguirá sobreviver aos aspectos ideológicos que vêm norteando o MEC no governo Bolsonaro

Da CNN, em São Paulo
25 de junho de 2020 às 17:36 | Atualizado 25 de junho de 2020 às 18:11

Em entrevista à CNN nesta quinta-feira (25), o educador Mozart Ramos disse que recebeu como uma "surpresa agradável" a nomeação do professor Carlos Alberto Decotelli da Silva para o comando do Ministério da Educação. A escolha do substituto de Abraham Weintraub foi anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em sua página no Facebook. A nomeação foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

"É uma pessoa com perfil técnico e com uma boa formação acadêmica. Parece que enfim vamos ter um ministro da Educação no Brasil", disse.

Segundo Ramos, Decotelli chega apresentando uma mensagem de diálogo, o que o educador considerou importante.

"Estamos precisando de um ministro que seja capaz de dialogar com diferentes áreas da educação, tanto nas universidades, principalmente as federais, e com os secretários municipais e estaduais de educação", acrescentou.  

Assista e leia também:

Bolsonaro nomeia Carlos Alberto Decotelli da Silva para ministro da Educação

Decotelli diz que Bolsonaro não pediu gestão 'ideológica' no MEC

Bolsonaro ligou para Feder para avisar que anunciaria Decotelli

Decotelli tem sensibilidade social mas sem radicalização ideológica, diz Vélez

Na avaliação de Ramos, a grande questão é se Decotelli conseguirá sobreviver aos aspectos ideológicos que vêm norteando o MEC desde o início do mandato de Bolsonaro. "Se conseguir, será uma grande vitória", afirmou. 

O educador falou ainda que Decotelli terá que "correr contra o tempo", já que, segundo ele, o país ainda não teve um ministro da Educação na gestão atual.

"O [Ricardo] Vélez passou apenas dois meses e meio [no MEC] e [Abraham] Weintraub veio para cumprir uma agenda política, muito mais vinculado ao embate com as entidades e universidades, e não conseguiu ter uma agenda positiva para a educação", avaliou.