Celso de Mello pede que PGR diga se Bolsonaro deve depor pessoalmente

PF disse que é necessário ouvir o presidente no inquérito que apura a suposta interferência política de Bolsonaro na Polícia Federal

Gabriela Coelho, da CNN em Brasília
26 de junho de 2020 às 18:35
Ministro do STF Celso de Mello durante sessão da 2ª turma
Foto: Nelson Jr - 10.set.2019/SCO/STF

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu nesta sexta-feira (26) que a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifeste sobre a forma como o presidente Jair Bolsonaro deve prestar depoimento -- pessoalmente ou por escrito -- no âmbito das investigações que apuram se o chefe do Executivo tentou interferir politicamente na Polícia Federal.

A delegada da Polícia Federal Christiane Correa Machado encaminhou, na última sexta-feira (19), um ofício ao ministro. No documento, ela informa que as investigações relacionadas ao Inquérito 4.831, referentes a possíveis interferências do presidente na PF, se encontram em estágio avançado. Ela também informou o STF sobre a necessidade de colher o depoimento do presidente Jair Bolsonaro.

Leia também:

PF quer ouvir Bolsonaro em inquérito sobre acusações de Moro

Governo alerta STF que Bolsonaro pretende depor por escrito

Celso já negou depoimento por escrito, que seria exclusivo para testemunhas

Aberto a partir de declarações do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro, o inquérito 4.831 pode levar à apresentação de uma denúncia contra o chefe do Executivo.

Em 2017, o ministro Luís Roberto Barroso, do STF, garantiu ao então presidente Michel Temer, investigado no inquérito dos Portos, o direito de depor por escrito. Na ocasião, a defesa de Temer encaminhou um documento com as respostas do emedebista às 50 perguntas da PF sobre as investigações.