Blogueiro Oswaldo Eustáquio diz à PF que não participou de atos antidemocráticos


Gabriela Coelho Da CNN, em Brasília
02 de julho de 2020 às 20:12 | Atualizado 02 de julho de 2020 às 20:16
oswaldo eustaquio

Oswaldo Eustáquio é investigado por atos antidemocráticos

Foto: Reprodução/ Youtube


O blogueiro Oswaldo Eustáquio negou, nesta quinta-feira (2), em depoimento à Polícia Federal, que tenha participado de atos antidemocráticos que pedem o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal. Segundo o jornalista, ele participou dos atos para apenas fazer a cobertura. A CNN teve acesso ao depoimento. 

“Que fez apenas cobertura jornalística das manifestações. Que nas manifestações do dia 21 de junho presenciou falas antidemocráticas e disse que essas pessoas não fazem parte de nenhum movimento conhecido. Sua luta é baseada em um termo: combate à corrupção em qualquer instancia de poder”, afirmou o jornalista em depoimento. 

Eustáquio afirmou que participou de manifestações pelo Brasil, pelas instituições, pela manutenção da tripartição dos poderes e pela intervenção popular. 

Leia também:

No Twitter, Oswaldo Eustáquio diz que é 'preso político'

“A intervenção popular seria a utilização do direito ao voto de forma consciente e colocar no Parlamento pessoas que tenham o desejo de mudar a história da nação brasileira”, afirmou. 

Ontem, a pedido da Procuradoria-Geral da República e da Polícia Federal, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo, renovou a prisão temporária de Eustáquio por mais cinco dias. O ministro retirou o sigilo da peça para evitar, segundo seu despacho, interpretações equivocadas na imprensa com a divulgação parcial do texto.

O pedido menciona ainda que havia risco de fuga e que ele informou um endereço de um parente como residência, tendo portanto paradeiro incerto. Moraes determinou que o blogueiro seja alocado em cela separada das de presos comuns.

Em depoimento à PF, o blogueiro admitiu ter relações pessoais com outros investigados no inquérito, como a ativista Sara Giromini, Fernando Lisboa, Allan dos Santos e o empresário Otavio Oscar Fakhoury. Mas negou tenha qualquer tipo de relacionamento, amizade ou profissional, com eles. 

Ele ainda disse que recebeu recursos públicos nem monetização, que é o pagamento pelos acessos feitos por meio de redes sociais. Ele disse ainda ser “equívoco” a decretação da prisão por risco de fuga do país.

“Estou mudando de endereço em Brasília. O aluguel venceu no dia 25 de junho e que devido à estrutura de internet necessária para a execução de sua atividade jornalística não estar pronta no seu novo endereço, foi a ultima parte tirada do apartamento”, disse. 

Oswaldo foi preso por ordem de Moraes, e a PF aponta que ele se preparava para deixar o país. Ele chegou a ir em Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai. Em nota, a defesa do blogueiro afirma que ele é jornalista, filiado à Federação Nacional dos Jornalistas, e que recebeu diversos prêmios na carreira, além de ser especializado em jornalismo investigativo.