Deputados federais Molon e coronel Tadeu debatem retirada de páginas do Facebook

Uma rede de contas falsas que, nas palavras do Facebook, tinham comportamento oculto para confundir o debate público foram retiradas do ar

Da CNN, em São Paulo
09 de julho de 2020 às 19:26

Após o Facebook realizar ação mundial para retirar do ar contas e páginas que disseminavam notícias falsas, a CNN realizou debate entre os deputados federais Alessandro Molon (PSB-RJ) e Márcio Tadeu (PSL-SP) sobre o tema.

Para Tadeu, o termo derrubar é “chulo”. Em sua visão, é difícil acreditar que este tipo de ação esteja sendo feita apenas pelo clã Bolsonaro e apoiadores. “Não sei exatamente o motivo para retirar as contas do ar, falam que são conteúdos políticos impróprios.”

Já Molon trouxe os exatos termos que o Facebook usou para retirar as páginas e contas: comportamento inautêntico coordenado. Ele ressalta que a rede social está tratando de “uma rede de contas falsas que nas palavras do Facebook tinham comportamento oculto para confundir o debate público saudável através de manipulação”. O deputado do PSB também lembrou que um dos identificados por coordenar esta rede é Tércio Arnaud, assessor da Presidência da República que trabalho Palácio do Planalto e realizou postagens em horário de trabalho.

Leia também

Corregedor da Justiça Eleitoral diz que decisão do Facebook reduz ódio nas redes

STF e Congresso podem incluir páginas que Facebook apagou em caso das fake news

Remoção de páginas políticas do Facebook não é censura, avalia Marcelo Tas

“A internet ainda é um mundo ingovernável,” disse Tadeu, que relembrou que ainda não existe tipificação para o crime de fake news, mas que ele próprio não irá “passar a mão na cabeça de quem anda em desacordo com a lei”, mas que em sua visão,  “o fato de falarem apenas de páginas bolsonarismo é algo orquestrado.”

“Essa ação do Facebook atingiu contas de vários países,” relembrou Molon, que afirmou que existe hoje no mundo “uma forma de usar a internet para desenformar” e disse que não há parcialidade na decisão, mas sim uma rede de mentiras organizadas pelo presidente e apoiadores. As empresas evitam comprar brigas com governos, mas a coisa no Brasil é tão grave que o Facebook se viu obrigado a fazer isso,” disse Molon.