Aliados de Bolsonaro tentam pacificar relação entre governo e Gilmar Mendes

Ministros do governo entraram em campo para sondar os ânimos de Gilmar Mendes

Da CNN, em São Paulo
13 de julho de 2020 às 16:38 | Atualizado 13 de julho de 2020 às 18:57

Aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) montaram uma operação nesta segunda-feira (13) para minimizar desconfortos entre o governo e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes. 

A troca de farpas começou quando Mendes, em uma live, criticou a gestão da crise da Covid-19 e disse que o Exército, no comando do Ministério da Saúde, associou-se a um "genocídio". Hoje, em nota, o Ministério da Defesa repudiou a fala do ministro do Supremo e disse que vai representar contra ele na Procuradoria-Geral da República.

Segundo apurações da âncora da CNN, Daniela Lima, para conter os estragos já causados e evitar uma escalada de ânimos ainda mais aguda, antes de o Ministério da Defesa divulgar a nota de hoje, ministros governo entraram em campo para sondar os ânimos de Gilmar Mendes.

Leia e assista também

Militares divulgam nota de repúdio contra Gilmar Mendes

Declaração de Gilmar sobre militares volta a acirrar ânimos entre Forças e STF

Esses ministros pretendem distanciar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) da reação do Ministério da Defesa. Além disso, segundo eles, Bolsonaro não leu, não aprovou e não sabia da nota divulgada pelo ministério, e que o presidente segue disposto a não ampliar os atritos com o STF.

(Edição: Leonardo Lellis, com informações de Daniela Lima)