Secretário-executivo do MEC deixará a pasta após chegada de Milton Ribeiro 

Antônio Paulo Vogel vai ajudar na transição mas não ficará como número dois do Ministério da Educação .

Rachel Vargas, da CNN em Brasília
14 de julho de 2020 às 19:44 | Atualizado 14 de julho de 2020 às 20:15
Antônio Paulo Vogel
O secretário-executivo do Ministério da Educação, Antônio Paulo Vogel
Foto: José Cruz - 04.jun.2019/Agência Brasil

Com a chegada do pastor Milton Ribeiro ao cargo de ministro da Educação, o atual secretário-executivo da pasta, Antônio Paulo Vogel, deixará o cargo. Em conversa com a CNN, ele admitiu que ajudará na transição para a nova equipe, mas que assumirá novos desafios. Com isso, Milton Ribeiro irá nomear um novo número dois para o cargo. 

"Este tem sido meu papel neste momento: conduzir o MEC sem percalços até o novo ministro. 
Minha missão está chegando ao fim. Agora partirei para outra", disse Vogel.

À noite, Ribeiro informou via Twitter que tomará posse às 16h de quinta-feira (16) no Palácio do Planalto, com participação virtual do presidente Jair Bolsonaro, que cumpre isolamento após ter sido diagnosticado com Covid-19 na semana passada. 

Leia também:

Bancada evangélica pressiona novo ministro da Educação a demitir secretários

Antes da posse de Milton Ribeiro, MEC prepara nova licitação de projeto suspeito

Novo ministro deve manter indicados da ala ideológica e do centrão no MEC

Desde a saída de Abraham Weintraub e após a passagem relâmpago de Carlos Alberto Decotelli, Vogel atuou como ministro interino nos dias em que o cargo esteve vago. Ele conduziu três entrevistas coletivas e participava quase que diariamente de reuniões com o Palácio do Planalto. O nome dele chegou a ser cotado para assumir o cargo de ministro. 

Apesar do apoio dos militares do Planalto, a saída dele já era encampada por integrantes do grupo mais conservador -- a baixa de Vogel é um gesto importante a integrantes da bancada evangélica. Vogel foi secretário-adjunto de Finanças de Fernando Haddad (PT) na Prefeitura de São Paulo. O fato de ele ter trabalhado em gestões petistas sempre foi visto como um problema aos mais alinhados a bandeiras ideológicas do governo.