Saída do Centrão não afeta apoio a pautas do governo, diz presidente do MDB

Citado como candidato a presidente da Câmara, Baleia Rossi nega que saída de bloco comandado por Arthur Lira antecipe disputa pela sucessão de Rodrigo Maia

Da CNN
27 de julho de 2020 às 18:38
Deputado federal e presidente nacional do MDB, Baleia Rossi (SP), em entrevista para a CNN
Foto: CNN Brasil

O presidente nacional do MDB, deputado federal Baleia Rossi (SP), afirmou nesta segunda-feira (27) à CNN que a saída do partido do bloco majoritário da Câmara dos Deputados, que representa o grupo conhecido como Centrão, não implicará em afastamento do partido de pautas defendidas pelo governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

"Nosso compromisso com o país, com a agenda da retomada da economia e do combate à pandemia, não muda", disse Baleia Rossi na entrevista, na qual também negou relação desse movimento com a eleição para o comando da Câmara em 2021. "Essa nossa saída do bloco majoritário não tem nada a ver com a sucessão do presidente Rodrigo Maia."

Segundo apuração da âncora da CNN Daniela Lima, a saída de MDB e DEM do bloco que representa a atual composição do Centrão sinaliza um afastamento das demais siglas, que se aproximaram do governo Bolsonaro e indicaram nomes para cargos na administração federal.

Baleia Rossi é citado como um possível candidato a presidente da Câmara e deve enfrentar, se mantiver o plano, o deputado Arthur Lira (PP-AL), que é o líder do Centrão e parlamentar que se aproximou bastante do presidente da República.

Lira também enfrenta disputa dentro do próprio partido, com uma ala que defende Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) para o posto.

Assista e leia também:

DEM e MDB racham Centrão e deixam bloco de Arthur Lira, do PP

Maia traz Centrão para articulação da reforma tributária

O que é o Centrão, o grupo que domina o Congresso e se aproximou de Bolsonaro

'Independência'

Na entrevista à CNN, Baleia Rossi atribuiu essa decisão a uma busca do MDB por independência de blocos ou governos, que segundo ele foi decidida na convenção que o elegeu presidente do partido, em outubro de 2019.

"Temos um bom diálogo com todos os partidos de centro, mas eu fui eleito presidente nacional do MDB no ano passado com essa posição, de independência", disse o deputado.

Segundo o parlamentar, sem vínculo formal à base do governo, o MDB passa a ter mais opções de atuação no Congresso, com a apresentação de destaques a projetos ou de pedidos de urgência de votação.

O presidente do MDB ainda disse que a legenda mantém boa relação com os demais partidos de centro e a união era temporária, para que os partidos obtivessem mais cadeiras na Comissão Mista do Orçamento (CMO).

Reforma tributária

Baleia Rossi foi o responsável por apresentar a proposta de reforma tributária que tramita na Câmara, idealizada pela equipe do economista Bernard Appy e apoiada pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia. 

O deputado vê semelhanças entre o seu projeto, o que tramita no Senado, encabeçado pelo presidente Davi Alcolumbre (DEM-AP), e a proposta apresentada na semana passada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

"A reforma tributária já está sendo debatida há 30 anos. Era importante antes da pandemia e eu diria que é vital para o país no pós-pandemia. Nós vamos trabalhar juntos: Câmara, Senado e o governo federal", afirmou.

Rossi disse acreditar que o texto será aprovado ainda em 2020. "A reforma tributária não é um sonho, e conseguiremos transformar ela no segundo semestre em absoluta realidade", afirmou.

(Edição: Bernardo Barbosa)