'Se o presidente cumpre ou não, é problema dele', diz Pazuello sobre isolamento

Bolsonaro se aglomerou com seguidores horas depois de o general manifestar apoio às medidas de distanciamento social

Natália André, da CNN, em Brasília
11 de agosto de 2020 às 11:39 | Atualizado 11 de agosto de 2020 às 15:42

Pessoas próximas a Eduardo Pazuello, disseram à reportagem da CNN, que o ministro interino da Saúde não se sentiu contrariado pelo presidente Jair Bolsonaro, que se aglomerou com seguidores horas depois de o general manifestar apoio às medidas de distanciamento social tomadas por estados e municípios.

Segundo interlocutores próximos, questionado sobre a atitude de Bolsonaro, Pazuello respondeu que "distanciamento social é medida de higiene.” e que “se o presidente cumpre ou não, é problema dele.” Apesar disso, a equipe do ministro garante que não há questões e que o relacionamento entre ele e o presidente “segue ótimo.”

Leia mais:

Pazuello quer diagnóstico e tratamento precoce contra 'sangramento' da pandemia

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello
Foto: Adriano Machado/Reuters (9.jun.2020)

Nesta segunda-feira (10), quando saiu do Palácio do Planalto, Bolsonaro se aglomerou com apoiadores em frente a um quiosque de espetinho de churrasco, em Brasília. Sem máscara, o presidente disse que o Brasil tem 38 milhões de trabalhadores informais e que o melhor remédio para isso é "voltar o trabalho". 

Horas antes, durante evento na Fiocruz, no Rio de Janeiro, Pazuello afirmou que o ministério apoia as medidas adotadas por governadores e prefeitos, considerados por ele os maiores conhecedores de cada região. "Não existem diferenças partidárias e ideológicas. Nós somos todos brasileiros combatendo (...) para que não haja mais mortes no nosso país", reforçou.

Na visão do ministro, o apoio a estados e municípios é com recursos e, não, politicamente. O próprio presidente Bolsonaro já teve fortes embates com governadores, como Joao Doria, de São Paulo, e Wilson Witzel, do Rio de Janeiro, por discordar das medidas de isolamento social no começo da pandemia. Para Bolsonaro, isso prejudicou a economia.

Vacina russa

Sobre o registro da vacina russa, anunciada nesta terça-feira (11), o ministério disse que já se reuniu com os pesquisadores do imunizante uma vez, e vai marcar um próximo encontro em breve para saber detalhes.