Justiça condena Dilma e PT por calote em campanha de 2014

Campanha da presidente comprou bandeiras eleitorais e não pagou

Anna Satie, da CNN, em São Paulo
25 de agosto de 2020 às 17:31 | Atualizado 25 de agosto de 2020 às 20:17

O Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a condenação da ex-presidente Dilma Rousseff e do PT (Partido dos Trabalhadores), por um calote na campanha de 2014. 

Na época, a empresa "Angela Maria do Nascimento Sorocaba ME" forneceu 41,5 mil bandeiras eleitorais e não recebeu pelo serviço.

Eles agora terão de pagar o valor inicial da nota, corrigido e acrescido de juros.

Leia também:

Aras pede ao STF que arquive queixa de Dilma contra Bolsonaro

'A gente não precisava do MDB em 2014', afirma ex-presidente Lula

Dilma alegou que o material não foi entregue e que o diretório nacional do partido afirmou que a responsabilidade pela compra era do diretório paulista. 

No entanto, o desembargador Melo Colombi, que assina a decisão, disse que a empresa provou o recebimento e utilização dos produtos. 

"O Diretório Nacional pode não ter assinado o recebimento dos produtos, mas isso não acarreta inexistência de sua responsabilidade por serviço prestado em seu favor", diz o texto. "Não pode, porém, deixar de pagar por produto e serviço devidamente entregue".

Procurado, o Diretório Nacional do PT diz que foi "indevidamente incluído nesta ação" e que "está recorrendo da decisão".

A CNN entrou em contato com Dilma Rousseff, mas não obteve resposta.