Witzel dava ordens diretas para que licitações fossem fraudadas, diz delator

Segundo EdmarSantos, foi o próprio governador que o ordenou a direcionar a licitação para uma organização social que já estava gerindo o Hospital Zilda Arns

Daniel Adjuto
Renata Agostini
31 de agosto de 2020 às 15:23 | Atualizado 31 de agosto de 2020 às 15:40

O ex-secretário de Saúde do Rio Edmar Santos narrou aos investigadores que o governador Wilson Witzel dava ordens diretas para fraudar licitações e garantir que o suposto esquema de corrupção seguisse em andamento. Essas fraudes teriam como contrapartida o pagamento de propina ao grupo liderado por Witzel.

Santos firmou uma colaboração premiada e suas declarações ajudaram a sustentar a decisão do Superior Tribunal de Justiça de determinar o afastamento de Witzel do cargo por 180 dias. 

Segundo Santos, foi o próprio governador que o ordenou a direcionar a licitação para uma organização social que já estava gerindo o Hospital Zilda Arns, em Volta Redonda. A orientação teria sido dada pelo governador a Santos em reunião no Palácio Guanabara em março de 2020.

Leia também:

Edmar Santos delata empresa contratada para atuar em 'episódio da geosmina'

O que significa Tris in Idem? Entenda o nome da operação que afastou Witzel

Wilson Witzel durante pronunciamento no Rio de Janeiro após ser afastado do cargo
Foto: Wilton Júnior/Estadão Conteúdo (28.agos.2020)

O mesmo aconteceu no caso do contrato de gestão do Hospital Dona Lindu, em Paraíba do Sul, de acordo com a delação. Santos afirmou que foi também Witzel que lhe deu ordem direta para direcionar o processo de escolha. A vencedora deveria ser a organização social indicada por Gothardo Lopes Netto, aliado do governador.

E assim foi feito, de acordo com relato de Santos. A Associação de Proteção à Maternidade e Infância de Mutuípe venceu o certame, que garantia contrato de R$ 58,5 milhões.

Os investigadores contam que houve questionamentos de concorrentes e o Tribunal de Contas do Estado acabou determinando, em liminar que a contratação não fosse feita. Para o Ministério Público, esses indícios reforçam a narrativa de Edmar Santos.

“Como se vê, nos próprios processos administrativos de seleção e contratação podem ser encontrados diversos indícios a reforçar a narrativa do colaborador de fraude no processo licitatório, por decisão prévia de direcionamento da mencionada licitação, tendo em vista promessa e/ou pagamento de propina à organização criminosa instalada no Governo do Estado do Rio de Janeiro”, diz trecho do documento produzido pelos investigadores e que subsidiou a decisão do Superior Tribunal de Justiça.

Segundo os investigadores, esse é um dos elementos que demonstram a atividade de uma “enorme organização criminosa” que era “liderada pelo próprio governador do estado”. O grupo seria responsável por uma série de delitos, “a maioria em curso” e que resultou em “prejuízo gigantesco” aos cofres do estado.