Witzel recorre ao STF, e Toffoli decidirá se ele retornará ao governo do Rio


Thayana Araújo, da CNN, no Rio
31 de agosto de 2020 às 11:54 | Atualizado 31 de agosto de 2020 às 15:58

A defesa do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), entrou com recurso no sábado (29), no STF (Supremo Tribunal Federal) para pedir a cassação de liminar que determinou seu afastamento por 180 dias do governo do Rio de Janeiro. O pedido será analisado pelo ministro Dias Toffoli.

Advogados de Witzel esperam que o pedido seja apreciado até a quarta-feira, quando o STJ (Superior Tribunal de Justiça) julga o afastamento, decidido em decisão monocrática na semana passada. 

Leia mais:
Bolsonaro resiste a aproximação imediata com governador interino do Rio
STJ consulta ministros sobre presença em julgamento de Witzel
Governador interino do RJ diz que Witzel provará inocência

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil (23.set.2019)

O governador Wilson Witzel está indignado com a postura do ex-secretário de saúde Edmar Santos. De acordo com fontes da CNN, ele se arrepende de aceitar a indicação de Pasto Everaldo, preso na última sexta-feira, para que Santos fosse secretário de uma das principais pasta de seu governo.

No final de semana, Witzel preparou sua defesa. Ele também demonstrou insatisfação com o agora desafeto Edmar Santos, que em acordo de delação premiada firmado no final do mês de junho com a Procuradoria-Geral da República (PGR), deu base à subprocuradora-geral, Lindôra Maria de Araújo, para abrir a investigação que derrubou o chefe do executivo do Rio.