Flordelis continua tentando mudar rumo das investigações, afirma delegado

O delegado Allan Duarte, que conduz as investigações do caso da deputada, falou à CNN sobre os próximos passos da investigação

Da CNN, em São Paulo
08 de setembro de 2020 às 18:56

O delegado Allan Duarte, que conduz as investigações do caso da pastora e deputada federal Flordelis (PSD-RJ), denunciada por arquitetar a morte do marido, o pastor Anderson do Carmo, disse nesta terça-feira (8), em entrevista à CNN, que logo após a fase de investigação ser concluída, a parlamentar tentou ocultar as provas e segue com a prática. 

“Ela continua tentando manipular as pessoas, fazer com que as investigações tomem outro rumo. Mas só não é possível por conta do conjunto de elementos robustos que a gente conseguiu coletar, apontando na direção dela”, explicou.

Duarte assumiu o comando da Divisão de Homicídios de Niterói em janeiro deste ano com o desafio de dar continuidade às investigações sobre a morte do pastor Anderson do Carmo.

Depois de quase sete meses à frente das apurações, o delegado concluiu o inquérito, que revelou que Flordelis foi a mandante a morte do marido.

Assista e leia também:

Flordelis: entenda o caso da deputada acusada de mandar matar o marido

Filho, neta e empregados de Flordelis são investigados em novo inquérito

Comida levada por Flordelis para filho em presídio foi apreendida durante visita

Caso Flordelis: corregedor explica processo de cassação de mandato

Delegado Allan Duarte fala sobre o caso Flordelis à CNN (08.set.2020)
Foto: CNN Brasil

Segundo Duarte, desde o início das investigações, a versão da deputada federal foi contraditória diversas vezes, mas os dados coletados revelam que Flordelis “regimentou pessoas, as convenceu a cometer esse crime, avisou sobre a chegada da vítima até o local e financiou a compra da arma”.

Após esta última etapa da investigação, afirma Duarte, será apurada a participação de pelo menos quatro pessoas no crime. Apesar de os nomes não serem revelados para não atrapalhar o trabalho, de acordo com ele, são pessoas da família e ligadas à família da parlamentar.

“Nós precisamos reunir os dados e ligar em uma sequência lógica e cronológica. Só então podemos ouvir testemunhas e dar oportunidades para que elas esclareçam o que de fato ocorreu”, explica.

(Edição: Sinara Peixoto)