‘Governo não atrapalha o agronegócio’, diz Bolsonaro em evento no interior de SP


Murillo Ferrair, da CNN, em São Paulo
16 de outubro de 2020 às 11:32

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a defender medidas favoráveis de seu governo com o agronegócio nesta sexta-feira (16), na cidade de Guariba, no interior de São Paulo, durante a inauguração de uma Planta de Biogás da Empresa Raizen.

“Quando falam que sou bem quisto pelo pessoal do agronegócio... nosso ministério, como o do Ricardo Salles, do Meio Ambiente, não atrapalha a vida de vocês. Pelo contrário, ajuda e muito”, afirmou o presidente.

Assista e leia também:

Exportações do agronegócio cresceram 4,8% em setembro, diz ministério
'Longe da realidade', diz ex-presidente do Ibama sobre discurso de Bolsonaro
Bolsonaro diz que pandemia foi ‘superdimensionada’ e que economia se recupera

“Relembrem há algum tempo como o Ibama [Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis] e o ICMBio [Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade] tratavam vocês e como esse tratamento hoje em dia é dispensado. Nós não criamos dificuldades para vender facilidade”, completou.

Apesar de não citar nominalmente, Bolsonaro também voltou a criticar o presidente da França, Emmanuel Macron, dizendo que o líder europeu está na vanguarda das críticas ao Brasil.

O presidente Jair Bolsonaro discursa em evento no interior de São Paulo

O presidente Jair Bolsonaro discursa em evento no interior de São Paulo

Foto: TV Brasil/Reprodução/CNN Brasil (16.out.2020)

“Quando passei em Osaka [durante cúpula do G-20, em 2019], tive encontro com um presidente de um grande país da Europa que quase sempre está na vanguarda para nos criticar. Ele queria que ampliássemos de 12% para 20% a quantidade de terra indígena demarcada no país”, afirmou o presidente brasileiro, completando que não foi feita nenhuma demarcação em seu governo.

“Eu disse aquele chefe de estado, naquele momento, que o Brasil tinha mudado. Acabou o tempo que um chefe de estado ia pra fora e voltava para cá com pacote de maldades em que quem pagava a conta, geralmente, era o homem do campo.”