William Waack: Ministro da Saúde foi humilhado pelo presidente


William Waack
Por William Waack, CNN  
21 de outubro de 2020 às 21:58

Como se temia, a politização da vacina contra a Covid-19 está aí com tudo, de forma explosiva.

Interessado em seu discurso eleitoral, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desautorizou o próprio ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que tinha concordado com a compra de uma vacina de uma empresa chinesa.

Além de vir da China, país do qual Bolsonaro não gosta, a vacina vai ser fabricada por um instituto em São Paulo, cujo governador é um desafeto político do presidente da República. 

O governador que via nesta vacina também uma vantagem política. Até aqui, a mais avançada, pelo o que a gente lê no noticiário.

Leia e assista também:

Doria: Vamos esperar 48 horas por recuo do governo federal sobre Coronavac
Bolsonaro: Pazuello fica, e decisão do governo sobre Coronavac é definitiva
Na semana passada, Bolsonaro disse a Pazuello que não queria a "vacina da China"

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello

Foto: Adriano Machado/Reuters (9.jun.2020)

É aquela pergunta: e a saúde das pessoas, como é que fica? E o interesse do público em saber quando é que a gente chega ao fim desta pandemia?

E todo mundo acha que o jeito de chegar ao fim é exatamente com uma vacina. Bom, vocês perceberam: é completamente subordinado à política.

Há uma guerra de versões. Há um embate em torno desta vacina, no qual estão envolvidos o presidente da República, o governador de São Paulo e outros governadores, enquanto o ministro da Saúde, desautorizado, acabou humilhado na prática.

Na prática, humilhado pelo próprio presidente, e testou, hoje, positivo [para a Covid-19].