Conexão CNN: Após declaração de Bolsonaro, redes sociais se voltam contra Anvisa

Quando suspensão dos testes da Coronavac foi divulgada, humor a favor da agência era de 60% a 40%; após fala do presidente, web passou a ser 70% crítica

Da CNN
11 de novembro de 2020 às 10:30

No quadro Conexão CNN desta quarta-feira (11), na CNN Rádio, Thais Arbex, Leandro Resende e Iuri Pitta analisam as repercussões dos comentários do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a suspensão dos testes da Coronavac pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Eu conversei com o pessoal da agência de monitoramento de redes Arquimedes – especializados em verificar humor político no Twitter. Eles detectaram que quando a Anvisa informou sobre a suspensão dos testes da Coronavac, sem a gente saber o que era o evento adverso grave, havia um humor favorável à decisão, na margem de 60% a 40%, muito em função da mobilização das redes bolsonaristas”, disse Pitta.

“Quando o presidente faz aquela postagem e escreve que essa decisão havia sido mais uma vitória de Jair Bolsonaro, o vento muda. Passa a ser 70% crítico à decisão da Anvisa, 30% a favor da suspensão dos testes da vacina”, completou.

Assista e leia também:
Butantan expõe cronologia de informações enviadas à Anvisa sobre evento adverso
Gorinchteyn se diz 'perplexo' por interrupção de estudos sem 'análise robusta'
Comissão de pesquisas diverge da Anvisa e apoia sequência de testes da Coronavac

Para o jornalista, essa discussão que deveria ser, essencialmente técnica, passou a ser política, e isso “joga uma sombra de desconfiança nas instituições, o que é muito nocivo para essa discussão da vacina e para outras discussões de outras vacinas no futuro”.

Já Arbex analisou a articulação política dos governadores depois do anúncio da agência reguladora. 

“Os governadores entenderam que tinha que haver uma resposta a essa manifestação do presidente Jair Bolsonaro, mas que isso tinha que ser feito por um órgão técnico, daí a decisão da nota vir pelo Conselho [Nacional dos Secretários de Saúde (Conass)]”, disse.

“Mas a nota é cheia de recados políticos. Ela diz que essa crise que enfrentamos 'não pode ter lados antagônicos', que o ‘momento é de convergência’, e espera que a Anvisa siga um caminho republicano para liberar a vacina”, completou.

Para Resende, toda a discussão em torno da decisão da Anvisa e dos comentários do presidente tiraram o foco de outros problemas que o Brasil precisa lidar, inclusive para quando houver uma vacina,

“Tem dois pontos que eu queria trazer: primeiro, os jornais hoje trazem informações que o número de internações com pessoas com Covid-19 aumentou em São Paulo e no Rio de Janeiro. Isso é preocupante, temos que prestar atenção”, disse.

“E enquanto se desenrolava toda essa guerra, especialistas me falaram que temos uma série de desafios logísticos para o Brasil. Por exemplo: a vacina da Pfizer, que o Brasil ainda não tem acordo formal para adquirir, precisa de freezers que a coloquem a -80ºC, um tipo que praticamente não existe no Brasil”, completou. 

“Esse é o tipo de problema que o Brasil precisa começar a olhar.”

Leandro Resende, Thais Arbex e Iuri Pitta apresentam o Conexão CNN, na CNN Rádio
Foto: CNN Brasil