Parlamentares querem ouvir diretores da Anvisa, Butantan e Aneel essa semana

Suspensão dos testes da vacina contra a Covid-19 e apagão no Amapá motivaram sessão em semana de recesso branco no Congresso

Tainá Farfan e Marília Ribeiro, da CNN, de Brasília
11 de novembro de 2020 às 12:33 | Atualizado 11 de novembro de 2020 às 17:12
Sessão do Congresso, em Brasília
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil (11.mar.2020)

Os parlamentares da Comissão Mista destinada a acompanhar a situação fiscal e a execução orçamentária relacionadas ao combate à Covid-19 devem ouvir, na sexta-feira (13), o diretor presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, e o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André da Nóbrega.

Os requerimentos de convite foram aprovados em sessão nesta quarta-feira (11), que foi marcada de última hora, após a suspensão dos testes da vacina Coronavac. O Congresso está em “recesso branco” essa semana, ou seja, sem sessões nas duas Casas por causa das eleições de domingo (15). Diante da gravidade da situação relacionada à vacina e, também, ao apagão que atingiu o Amapá, os parlamentares resolveram se reunir ainda essa semana.

Leia também:
Anvisa autoriza retomada do estudo da Coronavac
Butantan expõe cronologia de informações enviadas à Anvisa sobre evento adverso
Apesar do apagão, Barroso afirma que eleições no Amapá estão mantidas

Na sexta-feira, o colegiado vai dividir a sessão em duas etapas: uma para ouvir os diretores da Anvisa e Instituto Butantan e outra para ouvir o diretor-geral da Aneel. Os parlamentares querem mais informações sobre os motivos que levaram à suspensão dos testes da vacina e entender a falta de fiscalização que pode ter resultado no apagão no Amapá.

O estado ficou quatro dias sem energia e enfrenta racionamento há nove. O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do requerimento de convite ao diretor da Aneel, destacou que não é aceitável a falta de fiscalização por parte da agência reguladora.

“O que aconteceu aqui não foi culposo, foi doloso. Não é somente ter deixado uma empresa privada, sucateada, já falida cuidando do sistema de energia elétrica de 800 mil pessoas, é mais grave que isso. É não ter fiscalizado", destacou o senador.