Radar Político: Eleições municipais podem impactar também votação de 2022

Votação municipal costuma servir de base para as eleições gerais, dois anos depois; há até deputados que disputam prefeituras para aumentar sua visibilidade

Da CNN
12 de novembro de 2020 às 12:49

No quadro Radar Político, da CNN Rádio, desta quinta-feira (12), Caio Junqueira, Fernando Molica e Igor Gadelha analisam como as eleições municipais no domingo (15) podem influenciar, também, na votação de 2022.

“As eleições de dois em dois anos se retroalimentam. As eleições municipais tem o poder de ser uma base para a eleição para o Congresso que, por sua vez, acaba sendo base para a eleição municipal dois anos depois”, disse Junqueira.

“Tem vários estudos neste sentido, de como a eleição municipal pode influenciar, depois, no tamanho das bancadas no Congresso. O único caso que isso destoou foi em 2018, considerada uma eleição disruptiva por tudo que aconteceu”, completou.

Molica destacou o fato de muitos deputados se candidatarem à prefeitura em suas cidades, mesmo sem chances de vitória para usar a exposição da campanha eleitoral e o horário eleitoral na TV e no rádio para aparecer. 

Assista e leia também:
TSE mantém decisão de Barroso e adia eleições municipais em Macapá
É crime eleitoral tirar foto da urna? O que não se pode fazer na hora do voto
Eleitor poderá justificar ausência por aplicativo de celular; saiba como fazer

“Daí o eleitor guarda o nome dele e isso facilita, em tese, a reeleição para deputado daqui dois anos. É um mecanismo de retroalimentação o tempo inteiro”, disse.

Ele disse ainda que vai ser interessante observar se a votação em 2020 vai mostrar uma tendência de arrumação das forças no Congresso.

“Vai ser interessante notar se essas eleições vão permitir que, no domingo à noite, nós tenhamos uma ideia de como pode ser a rearrumação do quadro partidário brasileiro”, disse.

Igor Gadelha, Caio Junqueira e Fernando Molica comandam o Radar Político, na CNN Rádio
Foto: CNN Brasil

Por fim, Gadelha disse que por conta das votações nos municípios, a semana em Brasília está completamente parada.

“Ontem eu conversei com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) sobre alguns assuntos e ele falou que estava em uma carreata, dando o tom do que é o foco dos parlamentares nesta semana. Depois ainda tem o segundo turno nas capitais e a pauta de interesse do país fica para dezembro”, disse.