Diplomatas chineses apostam em 'meio termo' do Planalto sobre leilão 5G

Diplomatas chineses preveem Bolsonaro deve impor algumas “restrições” para tentar dificultar a participação de companhias do país

Por Igor Gadelha, CNN  
27 de novembro de 2020 às 14:24 | Atualizado 27 de novembro de 2020 às 14:40


Diplomatas chineses que atuam no Brasil apostam em um “meio termo” do governo brasileiro em relação ao leilão da tecnologia 5G, previsto para ocorrer no primeiro semestre de 2021.

Integrantes da embaixada da China em Brasília ouvidos pela CNN acreditam que dificilmente o presidente Jair Bolsonaro deve banir totalmente a participação de empresas chinesas.

Leia e assista também

Limitar chinesas no 5G pode barrar parcerias e investimentos, dizem empresários

Em nota, Itamaraty responde à embaixada da China

Embaixada da China ameaça 'consequências negativas' após publicação de Eduardo

Por outro lado, os diplomatas chineses preveem que o chefe do Palácio do Planalto deve impor algumas “restrições” para tentar dificultar a participação de companhias do país asiático. 

Desde o início da gestão Bolsonaro, empresas chinesas como a Huawei vêm apostando suas fichas em uma aproximação com generais que atuam no governo para evitar um banimento no leilão.

Executivos da Huawei, por exemplo, já se reuniram diversas vezes com o vice-presidente Hamilton Mourão. Bolsonaro, porém, já deixou claro que a decisão final caberá somente a ele.