Governo se preocupa com avanço da Argentina na vacina

Governo brasileiro começou a colocar no radar a necessidade de ser o primeiro país da América do Sul a vacinar sua população contra o novo coronavírus

Caio Junqueira
Por Caio Junqueira, CNN  
16 de dezembro de 2020 às 20:08 | Atualizado 16 de dezembro de 2020 às 20:19

 

O governo brasileiro começou a colocar no radar a necessidade de ser o primeiro país da América do Sul a vacinar sua população contra o novo coronavírus.

Após o lançamento nesta quarta-feira (16) do Plano Nacional de Imunização, setores do governo - especialmente os militares - têm se demonstrado incomodados com a possibilidade de países vizinhos iniciarem a vacinação antes do Brasil.

Leia também:

Após críticas, Saúde amplia grupo prioritário e tira nomes de técnicos do plano

Pazuello descarta termo de responsabilidade para vacina registrada na Anvisa

Mutações já detectadas não alteram eficácia de vacinas contra Covid-19

O foco principal das preocupações é a Argentina. Primeiro, porque, historicamente, as forças armadas dos dois países sempre disputaram o controle do continente. Segundo, porque o presidente da Argentina, Alberto Fernandez, é de esquerda e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez campanha contra ele.

Nesta quarta, o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, disse que a expectativa dele é que a vacinação comece em “meados de fevereiro”.

Destaques do CNN Brasil Business:

Câmara aprova base do Orçamento 2021 com rombo de R$ 247 bi e mínimo de R$ 1.088

Maia diz que tentará votar texto do governo da reforma tributária semana que vem

Motoristas britânicos processam Uber na Holanda por uso de dados

Mas, nos bastidores, a ideia é antecipar em um mês esse cronograma; ou seja, para meados de janeiro, ainda que com vacinas emergenciais. Isso porque o governo da Argentina anunciou que a vacinação deve começar na primeira quinzena de janeiro no país.