Em reação a advogados, Fux tira juiz de garantias da pauta do STF

Figura do juiz de garantias foi aprovada pelo Congresso junto ao pacote anticrime e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em dezembro de 2019

Por Igor Gadelha, CNN  
18 de dezembro de 2020 às 09:40 | Atualizado 21 de dezembro de 2020 às 21:30

 

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, retirou as ações que contestam a implementação do juiz de garantias da pauta de julgamentos da corte no primeiro semestre de 2021. O calendário foi divulgado pelo ministro nesta quinta-feira (17).

Segundo auxiliares, Fux estava disposto a levar o tema ao plenário, mas retirou da pauta, de última hora, em reação a um habeas corpus protocolado por um grupo de advogados na quarta-feira (16) para tentar derrubar uma decisão do presidente do STF que suspendeu a criação do juiz de garantias.

Leia também:
Governo avalia recurso contra decisão de Lewandowski e aposta em Fux
Em reação a Fux, advogados pedem anulação de todas ações sem juiz de garantias

O ministro do STF Luiz Fux
Foto: Fellipe Sampaio - 10.set.2020 / SCO - STF


 A figura do juiz de garantias foi aprovada pelo Congresso junto ao pacote anticrime e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em dezembro de 2019. O juiz seria o responsável por fiscalizar a legalidade da investigação criminal, autorizando medidas como prisões e quebras de sigilo.

Em janeiro, porém, Fux deu uma liminar suspendendo a criação do juiz de garantias. Argumentou que a medida tinha sido aprovada para depreciar o juiz responsável por dar a sentença. Para o presidente do STF, mudanças na estrutura do Judiciário só devem ser feitas pelo próprio poder.

Nas últimas semanas, Fux tinha decidido levar o tema ao plenário em 2021. Mas recuou após advogados do Instituto de Garantias Penais entrarem com habeas corpus para derrubar sua liminar e pedir a soltura de presos em flagrante cuja audiência de custódia não tenha sido realizada em 24 horas.

Segundo apurou a CNN, o que mais irritou o presidente do STF foi o fato de o habeas corpus tê-lo apontado como “autoridade coatora”. Na prática, isso impede o ministro de julgar o recurso. Com isso, o pedido dos advogados poderá ser sorteado para qualquer ministro do Supremo.

Colegas de Fux, porém, dizem que o pedido não deve prosseguir, pois o Supremo tem entendimento de que uma decisão monocrática de um ministro não pode ser contestada por meio de habeas corpus, como fizeram os advogados.