MP-RJ diz que organização criminosa de Crivella era "violenta e perigosa"

Segundo os procuradores, o grupo comando pelo prefeito usavam de violência para cobrar propinas

Lucas Janone e Leandro Resende, da CNN, no Rio de Janeiro
22 de dezembro de 2020 às 15:36 | Atualizado 22 de dezembro de 2020 às 16:16

 

Agressões físicas, ameaça de morte e quase 30 tiros. Essas foram as justificativas apresentadas pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) para classificar os integrantes da organização criminosa comandada pelo atual prefeito RJ, Marcelo Crivella, como "perigosos e violentos".  

De acordo com os procuradores, o grupo ameaçava os empresários participantes do esquema com armas de fogo e agressões físicas durante a cobrança de propina. Um dos casos apurados pela denúncia revelam a utilização de “chutes e coronhadas” contra funcionários do grupo Assim Saúde durante um encontro. 

Leia e assista também:

Marcelo Crivella é 'vértice' de organização criminosa, dizem procuradores
Presidente da Câmara do Rio vai substituir Crivella na Prefeitura; saiba quem é
Em denúncia, MP do Rio diz que operação contra Crivella, em setembro, vazou

Prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) é preso no Rio de Janeiro nesta terça-feira (22)
Foto: CNN (22.dez.2020)


Outra situação apontada pela denúncia, mostra um ataque de homens fortemente armados à um restaurante. Segundo o MP, a ação foi um “recado” para desestimular possíveis colaborações com a justiça e a falta do repasse da propina.  

A denúncia aponta que “todos os colaboradores, sem exceção, manifestaram seu profundo temor contra possíveis represálias que podiam ser orquestradas por integrantes da organização criminosa”. 

Os procuradores afirmam que o mais violento da organização criminosa era o empresário e chefe do esquema, Rafael Alves. Para os procuradores, Alves era uma “figura temida” até pelos seus amigos mais próximos.

Até o momento, sete mandados de prisão foram expedidos contra o grupo liderado por Marcelo Crivella. O grupo é acusado de corrupção ativa e passiva, peculato, fraudes e crimes de responsabilidade.