Governo já consulta Lira e Pacheco sobre agenda legislativa

O deputado federal Arthur Lira e o senador Rodrigo Pacheco, candidatos do governo, estão sendo consultados sobre a agenda governista no Congresso

Caio Junqueira
Por Caio Junqueira, CNN  
28 de janeiro de 2021 às 20:35 | Atualizado 28 de janeiro de 2021 às 20:45

 

A quatro dias da eleição, o governo já consulta seus candidatos à presidência da Câmara e do Senado para elaborar a agenda legislativa a partir da semana que vem.

O deputado federal Arthur Lira e o senador Rodrigo Pacheco, candidatos do governo, estão sendo consultados sobre a agenda governista no Congresso mesmo antes de serem eleitos.

Um exemplo é a Medida Provisória que o governo pretende editar para incluir a Eletrobras no Plano Nacional de Desestatização. Arthur autorizou a edição, Pacheco pediu uma reunião para maiores esclarecimentos. Na semana passada, ele deu declarações se posicionando contra a privatização da estatal.

Desta vez, Pacheco disse que queria conhecer o texto e a ideia do governo antes que a MP fosse encaminhada ao Congresso. Lira, por sua vez, disse que poderia enviar, que a discussão se daria no legislativo.

Além da MP, o governo considera outras possibilidades para acelerar a privatização da Eletrobras. Uma delas é um projeto substitutivo ao que foi barrado no Senado.

Outro, é uma discussão nos tribunais para autorizar que o BNDES possa abrir licitação para contratar consultores para avaliar a estatal para venda.

Além desse tema, outros pontos da agenda também têm sido acertados previamente. A ideia do governo é começar o ano já votando a proposta de emenda constitucional que permite uma flexibilização de recursos, a chamada PEC emergencial. O segundo ponto é a Lei Orçamentaria Anual (LOA).

A ordem não é por acaso. Com a PEC emergencial, o governo pretende abrir espaço no Orçamento de 2021 para tentar buscar recursos para o auxílio emergencial, cuja necessidade é praticamente um consenso na base aliada.

Das reformas, a administrativa é a que deve sair na frente por ter sido encaminhada após negociação com a base.

O governo, porém, conforme mostrou a CNN, também pretende pautar a chamada agenda bolsonarista para atender diretamente as bases do presidente. Um dos compromissos já firmados por Lira é o de instalar uma comissão especial para analisar a proposta de emenda constitucional para implementar o voto impresso no país.